quarta-feira, 25 de novembro de 2020

"General" Mourão quer BR163 até o baixo Amazonas, destruindo territórios indígenas e a Justiça reage


BR163 avançar até o baixo Amazonas como quer o "general" Mourão, servirá a Bungue, Cargil,... para o agronegócio dos de fora do Brasil:

O vice-presidente Mourão disse avançar com a BR163 pelo baixo Amazonas, dando continuidade com o trabalho em andamento  e inconstitucional pelo exército desde os governos anteriores, avançar o desmatamento, destruindo territórios indígenas para construção de estradas, como fez o governo Bolsonaro o trecho do Km. 376 da BR163 entre Novo Progresso e Moraes de Almeida, no Pará não pretendendo parar aí. -  A ação do Exército  obedientes aos governos anteriores, para recuperar um trecho localizado no Pará da BR-163, rodovia que começa em Tenente Portela (RS) e chega até Santarém (PA), passando pelo porto de Mirituba. 

A BR-163 é usada para escoamento da produção agrícola do Mato Grosso, mas ainda conta com trechos sem asfalto. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) fechou convênio com o Exército para pavimentar 65 quilômetros da rodovia, com previsão de entrega em fevereiro de 2020, as obras do Exército estão em estágio avançado, mas ainda não foram concluídas.

O vice-presidente Mourão que avançar com a BR163 no Baixo Amazonas para o progresso dos não nacionais dentro do Brasil,  entrar floresta adentro, devastando territórios indígenas como vem acontecendo. Aquelas estradas abertas no interior do Amazonas aonde os caminhões e carros atolados sobre o barro, e mostrados com sensacionalismo pelos militares, NADA MAIS É, DO QUE O DESMATAMENTO EM TERRITÓRIOS INDÍGENAS, e proibidos por Lei. A Justiça já enviou artigo para que Bolsonaro e sua equipe de militares genocidas, PAREM COM A INVASÃO DAS TERRAS INDÍGENAS, para  agraciar de forma ou outra o agro negócio externo dentro do Brasil. Tentam colocar na cabeça do povo no Amapá que  para resolver o apagão, deve-se continuar com a BR163 Amazônia abaixo, colocando assim, povos  da cidade, contra povos índios isolados.

Sábios foram os indígenas que, reunidos no Conselho de Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Brasil, pediram a cassação do mandato do deputado Jair Bolsonaro, em 1998, quando este declarou que “competente, sim, foi a cavalaria norte-americana, que dizimou seus índios no passado e hoje em dia não tem problema”. Talvez, se tivessem sido ouvidos, não teríamos hoje o rastro de destruição de nossas florestas. A Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil, ferindo os direitos que foram expressos na Carta Maior do Brasil em 1988, manifesta os nossos sentimentos de angústia e indignação

Justiça manda governo reduzir supostos danos da BR-163 a indígenas

2019,  sob os impactos do primeiro ano do governo Bolsonaro. Jair Bolsonaro, ex-capitão do Exército, ex-deputado federal; sua atuação no Congresso se deu no grupo denominado de “baixo clero”, com perfil violento e de extrema direita. É importante salientar que o governo Bolsonaro implementa uma pauta embasada em velhos costumes e tradições, o que, na prática, tem significado a destruição de políticas sociais e de reparação, conquistas da maioria da população brasileira. A sua truculência e as falas preconceituosas e a favor da violência têm dividido a sociedade, estabelecendo conflitos desnecessários numa perspectiva anti-civilizatória. Em relação aos povos indígenas, é notório o ranço do governo, que impõe destruição, violência e assimilacionismo como políticas de Estado

O presidente Bolsonaro defende abertamente que os bens comuns dos territórios  indígenas, patrimônio da União, sejam disponibilizados para a exploração econômica por setores vinculados ao agronegócio e às mineradoras,  denúncias e análises, uma realidade ainda mais dramática do que em anos anteriores em função da estruturação de uma política de Estado composta por um governo de depredadores e destruidores de vida.  O governo e suas estruturas de serviços – Funai, Ministério da Justiça, Ministério da Agricultura, Incra - agiram de forma incisiva para que os direitos constitucionais dos povos indígenas fossem revisados e que as terras estivessem disponibilizadas para a especulação econômica

Violência contra a pessoa: Entre os povos indígenas que habitam o território brasileiro há uma recorrência de situações violentas, invasões possessórias, exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio, conflitos relativos a direitos territoriais, violências sexuais, tentativa de assassinato, racismo e discriminação étnico culturais,  lesões corporais dolosas, homicídio culposo,  assassinatos,  ameaças várias,  ameaça de morte,  abuso de poder, pressões sociais e racismos que podem estar associadas a práticas suicidas, envolvendo alguns, ou muitos, indivíduos em uma mesma localidade e ao mesmo tempo. Na tabela a seguir, pode-se verificar a evolução de casos nos diversos estados da federação brasileira. O caso mais agudo refere-se ao povo Guarani Kaiowá do Mato Grosso do Sul que, no espaço de 19 anos, apresenta uma média aproximada de 45 ocorrências por ano. Em seguida há o estado do Amazonas, cujos casos afetam os povos Tikuna, do Alto Solimões, e moradores de São Gabriel da Cachoeira, cidade que abriga 95% de população indígena, envolvendo os povos do Alto Rio Negro. Note-se que, ao longo dos anos, há alguns episódios  significativos como os 11 casos em 2006; no entanto, a incidência de casos a partir de 2014 revela uma situação recrudescente. Também em Roraima há casos expressivos a partir de 2014. No Tocantins e no Paraná foram registrados casos em anos recentes; e o fenômeno se torna presente no Acre, no Maranhão, no Ceará e no Mato Grosso, além de registros feitos em Pernambuco, Minas Gerais e casos pontuais em Alagoas, Bahia, Goiás e Rondônia.

Diante do descumprimento da lei, para dizer que o Estado brasileiro tem se constituído, através de seus governantes, em principal promotor e mantenedor das violências contra os povos indígenas. A negligência premeditada dos que vivem dentro dos poderes públicos, por ações e omissões, são as sementes nefastas geradoras da morte e da miséria daqueles que clamam por Justiça em nosso país. A mera existência dos povos e das comunidades tornou-se um fardo pesado para os que administram o país com as lentes da exploração, expropriação e expansão. -  Enxergam na vida e nos bens da natureza apenas possibilidades para consumir e enriquecer, em detrimento dos direitos humanos, ambientais, culturais.

NOTAS:

1.https://www.gazetadopovo.com.br/agronegocio/agricultura/arco-norte-quer-dobrar-capacidade-de-exportacao-em-dez-anos-3ud6hodifac87rk7tkv1oylfo/

2.https://m.blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2020/10/19/comprovado-trecho-da-br-163-foi-asfaltado-no-governo-bolsonaro/

3.https://www.agazeta.com.br/brasil/comprovado-trecho-da-br-163-foi-asfaltado-no-governo-bolsonaro-1120%20o%20trecho%20do%20Km.%20376%20da%20BR163%20entre%20Novo%20Progresso%20e%20Moraes%20de%20Almeida,%20no%20Par%C3%A1,%20se%20trata%20do%20Km,%20376

4.https://renovamidia.com.br/justica-manda-governo-reduzir-supostos-danos-da-br-163-a-indigenas/

5.https://domtotal.com/noticia/1466533/2020/08/mpf-entra-com-recurso-contra-decisao-de-juiza-que-manda-tirar-indigenas-a-forca-da-br-163/

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Princesa Isabel expulsa: Quem a fez foi o Exército e a Armada em nome da Nação.

Em 29 de julho de 1860, ao completar quatorze anos, prestava juramento perante as duas Câmara reunidas, na qualidade de Herdeira Presuntiva do Trono e Coroa Brasileira de conformidade com a Constituição do Império.

Com um vestido de gaze branca bordada, sobre outro de cetim da mesma cor ostentando a grã-cruz do Cruzeiro, naquele ambiente literalmente cheio do que havia de mais notável e  ilustre, bastante emocionada, pronunciou com voz alta e clara :

  • «Juro manter a Religião Católica Apostólica Romana, observar a Constituição Política da Nação Brasileira e ser obediente às leis e ao Imperador».

  • «Se nos expulsam, a mim e a minha família pelo que assinei aí; repostas as coisas como dantes, hoje eu tornaria a escrever meu nome sem vacilação».

Não foram os descontentes com a lei de 13 de maio que fizeram a República. Quem a fez foi o Exército e a Armada em nome da Nação.

A produção do café, em vez de diminuir, aumentou consideravelmente. Que digam as estatísticas. - A propalada ruína da lavoura não se deu na Monarquia, tendo como causa a libertação dos escravos, e sim, no começo da República com o (*)encilhamento em que os agricultores hipotecavam suas fazendas não só no Banco do Brasil como em outros para jogarem na bolsa atrás de maiores e mais rápidos lucros.

Quando se proclamou a República, o Brasil pouco devia à Inglaterra, estava numa situação financeira nunca vista, com o câmbio mais do que ao par, isto um ano e oito meses depois da Abolição, tempo sobejamente suficiente para se sentir os efeitos da lei.

(*O encilhamento foi uma crise econômica brasileira que ocorreu na transição da Monarquia à República)

O Navio Alagoas: Ao meio dia de 17 de novembro de 1889, a embarcação sob o comando do capitão-de-fragata José Carlos Palmeira, levantou ferros e partiu em direção a Ilha Grande para encontrar o paquete Alagoas, da Companhia Brasileira de Navegação a Vapor, o mais novo e moderno navio de passageiros da marinha mercante do Brasil, que fora requisitado especialmente pelo governo republicano, para levar a realeza destronada para o exílio na Europa, e o seu pequeno séquito.

Acordado, o Imperador foi informado que deveria se vestir para embarcar. Surpreso e revoltado, disse "que não sairia como um negro fugido...". Mas, por volta das três da manhã, foi escoltado juntamente com a Imperatriz e toda a família, além de alguns amigos, para o Cais Pharoux, bem atrás do Paço Imperial, hoje Praça XV. Somente um coche negro puxado por dois cavalos estava à disposição, onde foram os imperadores e a princesa Isabel; os demais seguiram a pé. Uma lancha do Arsenal de Guerra, tripulada por quatro alunos da Escola Militar, aguardava-os, sendo transportados para o pequeno cruzador Parnaíba, apelidado de "gazela do mar", fundeado na Baía da Guanabara, próximo à Ilha Fiscal. -  Às 10 horas da manhã chegaram os três jovens príncipes, Pedro de 14 anos, Luiz de 11 anos, e Antônio de 8 anos, que se encontravam em Petrópolis, acompanhados pelo seu preceptor, o barão de Ramiz Galvão, e do engenheiro André Rebouças, amigo da família imperial, que havia subido a serra especialmente para trazer os filhos da Redentora e do Conde D´eu. A bordo, profundamente abalada, estava a imperatriz dona Thereza Christina, que muito chorava; não menos comovida estava a princesa Isabel, mas aliviada com a chegada dos seus filhos.

na França, vergonha para a falsa República do Brasil.

http://brasilianafotografica.bn.br/?p=7183

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

O Diálogo da Mão Oculta revela o fator extraterrestre no controle dos Illuminati da Terra

 

O “Diálogo da Mão Escondida” é um conjunto de perguntas e respostas dadas por um insider Illuminati que se descreveu e membros do Fórum Top Secret que foi gravado em outubro de 2008. O insider responde às perguntas de uma forma sincera e consistente e revela informações valiosas sobre os mecanismos de controle secretos usados ​​por um grupo de elite de insiders que ele chama de “A Família”.

Entre os muitos insights que ele dá é que a liderança da família está muito alinhada com um grupo de visitantes extraterrestres. Se genuínos, os diálogos da Mão Oculta fornecem muitas respostas sobre como nosso mundo funciona secretamente, como a questão extraterrestre se aplica a ele e o que pode acontecer quando nos aproximamos do que muitos descrevem como um "Evento de Ascensão".

diálogo da Mão Oculta é baseado na premissa de que grupos secretos de elite controlam nosso planeta e têm feito isso há milênios. Esses grupos de elite foram descritos como "Illuminati", "Incunabula", "Nephilim", etc., em livros como Rule By Secrecy , Gods of Eden e The Biggest Secret . A ideia básica é que um grupo seleto de famílias com linhagens distintas acumulou poder e o passou de uma geração para outra. Na verdade, é exatamente assim que o insider (a "Mão Oculta") se apresenta e descreve o grupo ao qual pertence:

Eu sou um membro geracional de uma Família de Linhagem Governante, nossa linhagem pode ser rastreada além da antiguidade. Desde os primeiros tempos de sua “história” registrada, e além, nossa Família tem 'dirigido' a 'peça' nos bastidores, de uma forma ou de outra. Nota: todas as citações da Mão Oculta são citadas aqui ]

A Mão Oculta revela o número de linhagens centrais que compõem “A Família”:
Existem 13 linhagens de sangue originais 'básicas' ou 'centrais'. No entanto, existem muitas outras linhas que brotam dessas, assim como os rios dos oceanos. Se você imaginar as 13 linhas originais como cores primárias, que podem ser misturadas para criar uma vasta gama de outras cores, você terá alguma compreensão. Novamente, sem competição, apenas Família.
 
Hidden Hand descreve a estrutura das linhagens dominantes da seguinte forma:
 
No grande esquema das coisas, a Linha não é tão importante quanto a Casa, a Casa, não é tão importante quanto a Família. A família é tudo. Não importa a casa ou linha, somos uma família (verdadeiramente internacional). Imagine, se quiser, um corpo. Uma casa representaria um órgão vital ou parte do corpo dentro do próprio corpo. Cada parte tem um papel importante a desempenhar no funcionamento do todo e, para cada um de nós, o "todo" tem nossa lealdade total. Como eu disse, muitas linhas (muito mais do que você imagina), Uma Família.
 
Então, por exemplo, uma linhagem particular, os Rothschilds, faz parte de uma Casa que controla as finanças internacionais nesta Família global.
 
Das treze linhagens básicas, a Mão Oculta diz que apenas três são indígenas da Terra. O resto tem origens fora do mundo, os chamados Anjos Caídos ou Nephilim, conforme descrito no Livro de Enoque. Ele / ela identifica claramente onde a maior parte do poder é encontrada entre as treze linhagens: “Eu quero ser claro sobre este assunto de linhagem. Os que você conhece são de linhagem terrestre. Sim, eles têm o seu lugar na Família, mas as verdadeiras linhas de força não se originam neste planeta.
 
Para esclarecer ainda mais a identidade das linhagens mais poderosas, a Mão Oculta diz que elas derivam da "alma do grupo" ou entidade conhecida como Lúcifer:
 
Nosso Criador, é aquele a quem você se refere como 'Lúcifer', “O Portador da Luz” e “Brilhante Estrela da Manhã”. Nosso Criador não é “O Diabo”, como ele foi espúriomente retratado em sua Bíblia. Lúcifer é o que você chamaria de “Alma de Grupo” ou “Complexo de Memória Social”, que evoluiu ao nível da Sexta Densidade…. Na aparência, se você contemplasse a expressão mais completa de nosso Ser de Lúcifer, a aparência seria a de um Sol ou de uma “Estrela Brilhante”. Ou, ao descer para uma vibração de 3ª densidade, pareceríamos o que você pode chamar de 'Anjo' ou 'Ser de Luz'.
 

Então, enquanto a Família é liderada por dez linhagens extraterrestres, todas as treze linhagens se veem como manifestações físicas de Lúcifer - um ser espiritual altamente evoluído que assumiu a tarefa de criar uma polaridade negativa que dá à humanidade a oportunidade de evoluir fazendo melhores escolhas morais .

Embora essa admissão levasse os cristãos fundamentalistas a descreverem a Família como adoradores do diabo e os extraterrestres como demônios, a Mão Oculta está sugerindo que Lúcifer está realizando uma forma de serviço espiritual. É importante ressaltar que, como discutirei mais tarde, a Família e sua estrutura de poder Luciferiana também é um problema para as civilizações extraterrestres. É assim que a Mão Oculta justifica porque a Família se envolve em comportamentos que muitos descrevem como malignos:

Precisamos de uma porcentagem muito alta de Polaridade Negativa, se quisermos obter uma Colheita Negativa. Em outras palavras, temos que ser Centrados no Autoatendimento em um grau extremo, para nos tornarmos Colhidos Negativamente. É por isso que trabalhamos tanto para ser o mais polarizados negativamente quanto podemos ser.
 
Simplificando, isso significa que quanto mais negativa ou “má” a Família for em manter seu controle sobre o resto da humanidade, maior será a probabilidade de ela alcançar seu objetivo final. Embora isso pareça paradoxal, a Mão Oculta elabora uma filosofia complexa para explicar por que isso acontece.
 
Entenda que TEMOS que ser negativos. É para isso que fomos enviados aqui. É o nosso contrato, e sempre foi para ajudá-lo, fornecendo o “Catalisador” de que falei antes.
 
Por “catalisador”, a Mão Oculta significa realizar ações que forçam o resto da humanidade a fazer importantes escolhas morais. Ele explica mais:
 
[W] e deve ser o mais polarizado negativamente possível. Serviço a si mesmo ao extremo. Violência, Guerra, Ódio, Ganância, Controle, Escravidão, Genocídio, Tortura, Degradação Moral, Prostituição, Drogas, todas essas coisas e mais, elas servem ao nosso propósito.
 
É assim que a Família sanciona comportamentos altamente negativos, como sacrifícios humanos rituais e abuso infantil, documentados por pesquisadores como John DeCamp. O objetivo final é despertar a humanidade para agir para impedir que essas coisas negativas aconteçam.
 
O filme final de Stanley Kubrick, Eyes Wide Shut, revelou o poder e os rituais dos Illuminati / The Family. Kubrick foi encontrado morto logo após sua conclusão

Basicamente, a mão Oculta afirma que a Família está ensinando a humanidade a ser mais empática. Para a maioria, a empatia é uma característica definidora de nossa humanidade. Não cuidar de outras pessoas que sofrem privações, atos de violência, nos tornariam menos que humanos.

Para os que pertencem à Família, a empatia é algo que impede o caminho da “polaridade negativa” que, paradoxalmente, ajudará a humanidade a se tornar mais empática. O paradoxo aqui é descrito pela Mão Oculta:

O paradoxo final em tudo isso é que neste enredo estamos todos co-criando juntos, para que possamos prestar o máximo de serviço a você, devemos ser totalmente egoístas. Eu amo muito o senso de ironia de nosso Criador.
 
Em resposta a uma pergunta sobre uma raça de extraterrestres chamada “Reptilianos” sendo o grupo de poder real no planeta, a Mão Oculta afirmou: “Certamente NÃO somos reptilianos, e não há nada remotamente reptiliano sobre as linhagens de sangue do verdadeiro poder.” Esta é uma admissão importante da Mão Oculta.
 
Enquanto os elementos mais poderosos da Família são extraterrestres, a espécie Reptiliana não tem nada a ver com o poder real por trás da Família. Isso é contrário ao que autores como David Icke têm afirmado que nosso mundo é secretamente controlado por entidades reptilianas.
 
Em vez disso, o que a Mão Oculta está sugerindo é que há uma alma grupal Luciferiana que está trabalhando em nossa Galáxia e estabeleceu poder não apenas em nosso planeta, mas em outros mundos. Mundos reptilianos sob a influência da Família, ou entidade Luciferiana, seriam tão altamente manipulados quanto o nosso por linhagens de outros mundos. Em outras palavras, assim como a Família tem historicamente manipulado nações do nosso mundo em incontáveis ​​guerras que aumentam o poder da Família, também a Família tem desempenhado um papel semelhante no fomento de guerras galácticas.
 
Resumindo, a Mão Oculta não só revelou a estrutura de poder secreta que manipula a vida em nosso planeta, mas também a estrutura de poder que domina muitos planetas em nossa galáxia e além. Isso parece estranhamente semelhante à saga Star Wars, onde um grupo de entidades espirituais sombrias chamadas Sith secretamente se infiltram e assumem o controle de organizações políticas e espirituais na Galáxia.
 
Se a Mão Oculta e seus pares Luciferianos pertencem a algo semelhante aos Sith, existe uma contraparte positiva semelhante aos Cavaleiros Jedi? É assim que a Mão Oculta descreve o equivalente moderno dos Cavaleiros Jedi - uma "Família" de polaridade positiva:
 
Existe tal família (ou grupo mais precisamente), mas você não pode vê-los e nem está ciente de sua existência. Eles ajudam o planeta a partir de um local secreto “Interior”, pelo trabalho de Qualidade da Energia em que se envolvem e projetam para fora para você, a partir da Fonte.
 
Quão precisa e genuína é a Mão Oculta? Em termos de algumas previsões, ele / ela estava longe. Por exemplo,
 
São Francisco e Damasco ficarão inabitáveis ​​no final de 2010, possivelmente ainda antes. Haverá tsunamis violentos e devastação generalizada; e uma emissão solar no final de 2009, no início de 2010, que causará o derretimento das calotas polares e a subseqüente elevação drástica do nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas (internacionais) submersas.
 
Essas previsões fracassadas sugerem que, mesmo que genuínas, a Mão Oculta e a Família não são infalíveis quando se trata de prever e / ou controlar eventos mundiais.
 
Em termos de filosofia, o diálogo da Mão Oculta é muito consistente com o material RA (Lei do Um), que é o conjunto de materiais canalizados mais amplamente citado no planeta. O material RA (1981-1984) foi o primeiro a introduzir conceitos como polaridades negativas e positivas, densidades, uma Colheita por volta de 2012 e complexos de memória social que são repetidamente citados pela Mão Oculta.
 
O material de RA também revelou que era possível para um grupo de entidades evoluir espiritualmente através de densidades por meio de atividades negativas. Esta ideia é única para o material de RA e parece contra-intuitiva no início, mas tem uma base filosófica sólida. É importante notar que a Mão Oculta citou o material de RA como amplamente preciso e uma base sólida para a compreensão da realidade metafísica por trás de como nosso planeta opera.
 
Em termos de agenda, a Mão Oculta diz que ela / ele foi instruído a participar na revelação da verdade dos governantes ocultos da Terra, uma vez que este é um requisito para a próxima "Colheita". Na Colheita, todos os indivíduos são testados quanto à sua orientação ética essencial para saber se eles evoluem ou não de nossa existência de terceira densidade para uma quarta densidade mais refinada.
 
O Fim do Calendário Maia (dezembro de 2012) foi amplamente previsto para ser quando a Colheita ocorreria com base no trabalho de autores como John Major Jenkins. Seu livro de 2002 , Alinhamento Galáctico: A Transformação da Consciência de acordo com as Tradições Maias, Egípcias e Védicas, previu que o fim do Calendário Maia coincidiria com um raro Alinhamento Galáctico de nosso sistema solar com o núcleo galáctico.
 
Com o que é amplamente visto como uma passagem “monótona” de 2012, muitos estão agora descrevendo um próximo “Evento de Ascensão” correspondente a outros processos galácticos. Entre eles está Corey Goode, que diz que enquanto serviu em programas espaciais secretos de 1987-2007, ele leu relatórios confidenciais sobre regiões da galáxia com “superondas” que eventualmente seriam encontradas por nosso sistema solar.
 
Acontece que os Programas Espaciais Secretos e até mesmo alguns programas na Terra e os programas Black Ops estavam estudando uma região do espaço que estávamos entrando na galáxia e alguns - o que eles chamaram de "super ondas" vindo em direção ao nosso sistema solar que eram nuvens de partículas energéticas. E eles sabiam que isso afetaria diretamente nosso sistema solar e nosso sol. E, de fato, vimos mudanças no sol e mudanças em todos os planetas, ocorrendo pelo menos desde aquele período de tempo, se não, provavelmente antes. E esta foi uma mudança lenta na energia de fundo do nosso sistema solar. Estas são ondas de energia vibratória que estão vazando e fluindo em nosso sistema solar.
 
As superondas subsequentemente impactariam a humanidade de maneiras que poderiam levar a mudanças profundas, para melhor ou pior. O fator crítico, de acordo com Goode, é quão bem os indivíduos podem elevar sua consciência e co-criar coletivamente um mundo melhor. Por algumas dessas razões, Goode afirma que os operativos nos programas espaciais secretos foram encorajados a estudar o Material Ra (Lei de um ) Isso é consistente com o que a Mão Oculta revelou anteriormente sobre o Material Ra.
 
Gaiiam-TV-Ep-5
 
Essas mudanças planetárias e galácticas previstas correspondem, portanto, a um Evento de Ascensão supostamente previsto já na década de 1980, quando, de acordo com Goode, esferas gigantes pertencentes a civilizações extraterrestres muito avançadas começaram a entrar em nosso sistema solar.
 
Consequentemente, durante o previsto “Evento de Ascensão”, os indivíduos decidem o que é mais importante em suas vidas - as polaridades de “serviço a si mesmo” ou “serviço ao outro”. Aqueles no meio, que ainda não escolheram uma polaridade, estão em risco real durante a Colheita de acordo com a Mão Oculta e também no material de RA - o que é consistente com as divulgações mais recentes de Goode.
 
A agenda por trás da revelação da Mão Oculta, portanto, parece ser muito plausível, dado o que foi descrito no material de RA e, mais recentemente, por Goode. Mais importante ainda, a agenda pode não ser exclusiva da Terra, mas também se aplica a mundos extraterrestres onde “A Família” tem grande influência.
 
Então, o que se pode concluir do diálogo Mão Oculta ? Na minha opinião, é uma revelação genuína de um insider pertencente a uma organização chamada “A Família” que tem membros humanos terrestres e extraterrestres. A Família tem estado secretamente envolvida em governar a Terra e outros planetas por meio de elites altamente posicionadas em instituições sociais e políticas importantes por séculos, senão milênios.
 
Nenhuma raça extraterrestre é o nexo de atividades negativas como erroneamente alegado por Icke e outros. Isso inclui as recentes especulações de Stephen Quayle sobre gigantes como demônios que estão sendo despertados de câmaras de estase avançadas para assumir o controle do planeta. Se minha análise estiver correta, então os gigantes, como qualquer entidade consciente avançada, podem ser subvertidos por “A Família” para adotar uma agenda luciferiana.
 
O nexo do mal (ou polaridade negativa), portanto, vem de uma entidade Luciferiana ou alma de grupo que se manifestou fisicamente em termos de uma elite transnacional e transgaláctica chamada "A Família". A humanidade e as civilizações extraterrestres têm problemas semelhantes em lidar com "A Família", que conseguiu atingir o poder em vários graus em suas respectivas sociedades, especialmente à medida que continuamos a experimentar as mudanças planetárias e solares desencadeadas por ondas cósmicas associadas a um possível Evento de Ascensão .
 
© Copyright 2011-2016. Michael E.Ph.D. Aviso de direitos autorais
 
[NOTA: Esta é uma versão atualizada de um artigo publicado pela primeira vez em 7 de novembro de 2011].

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Última resistência de Kennedy: cooperação espacial usada contra o estado profundo

 

Em 12 de novembro de 1963, o presidente Kennedy chegou a um acordo ousado com o líder soviético Nikita Khrushchev: missões lunares conjuntas para acabar com a Guerra Fria. Embora o discurso de Kennedy no início de 20 de setembro de 1963 nas Nações Unidas pedindo aos soviéticos que cooperassem em missões espaciais conjuntas e um pouso na lua seja um fato histórico bem conhecido, a aceitação de Khrushchev menos de dois meses depois é virtualmente desconhecida para a maioria.

O pedido de Kennedy e o acordo subsequente com Khrushchev representou muito mais do que uma tentativa de acabar com as tensões da Guerra Fria sobre o número crescente de armas nucleares sendo construídas pelos EUA e soviéticos. Kennedy estava corajosamente tentando dar um fim ao bloqueio do Deep State na liberação de tecnologias classificadas relacionadas a OVNIs que poderiam desencadear avanços mundiais.

Em 28 de junho de 1961, o presidente Kennedy enviou um Memorando de Segurança Nacional Top Secret solicitando que seu Diretor da CIA, Allen Dulles, preparasse para ele uma “revisão das Operações de Inteligência MJ-12 no que se refere aos Planos de Guerra Psicológica da Guerra Fria”. Kennedy se referiu a um grupo de controle interagências chamado Majestic 12, que havia sido secretamente estabelecido em 24 de setembro de 1947, para gerenciar as questões e tecnologias relacionadas aos OVNIs. Essa autoridade colocava o MJ-12 no centro do Deep State nos Estados Unidos naquela época.

Embora o Memorando de 28 de junho de Kennedy não tenha sido oficialmente desclassificado, o exame do documento vazado confirma sua autenticidade.

A resposta de Dulles ao memorando de Kennedy é revelada em outro documento Top Secret divulgado em 5 de novembro de 1961. A resposta de Dulles dá uma visão geral das atividades do MJ-12 em relação às atividades psicológicas, que ele confirma envolver a questão dos OVNIs. Ele descreve os OVNIs como parte da "propaganda soviética" projetada para "espalhar a desconfiança no governo".

A carta de Dulles reconhece que é possível que alguns "casos de OVNIs sejam de origem não terrestre", mas estes não "constituem uma ameaça física à defesa nacional." Mais significativamente, a carta de Dulles afirma: “Por razões de segurança, não posso divulgar dados pertinentes sobre alguns dos aspectos mais sensíveis das atividades do MJ-12”.

O que Kennedy não sabia era que, além de negar seu pedido e bloquear seus outros esforços para afirmar a autoridade presidencial sobre as operações MJ-12 e OVNIs, Dulles organizou para MJ-12 emitir oito diretivas em outubro de 1961. As Diretivas autorizaram a remoção de escritório de membros da administração Kennedy se eles ameaçassem as operações do MJ-12.

EuEm Kennedy's Last Stand (2013), documento os múltiplos esforços de Kennedy para afirmar a autoridade presidencial sobre o Grupo MJ-12 e arquivos OVNIs classificados. Em resumo, depois que Kennedy chegou a seu acordo inovador com Khrushchev para missões conjuntas espaciais e lunares, o chefe da divisão de contra-espionagem da CIA, James Jesus Angleton, implementou uma das diretrizes do MJ-12 autorizando a remoção de figuras políticas.

A mais extrema das oito diretivas MJ-12 era uma autorização de assassinato enigmática:

Rascunho - Diretriz relativa ao meio ambiente do projeto - Quando as condições se tornam desfavoráveis ​​para o crescimento em nosso meio ambiente e Washington não pode mais ser influenciada, o clima está sem chuva ... deveria estar úmido.

O Dr. Robert Wood, o maior especialista na análise de documentos MJ-12 usando métodos forenses, concluiu que o documento queimado é uma diretiva de assassinato. Ele ressalta que a frase enigmática, “deveria ser molhado” se origina da Rússia, onde a frase “trabalhos úmidos” ou “casos molhados” denota alguém que foi morto e está encharcado de sangue.

A implementação do Projeto Meio Ambiente levou ao assassinato público de Kennedy e serviu como um claro aviso para outros líderes políticos não desafiarem o Estado Profundo.

O Grupo MJ-12 não queria a cooperação dos EUA e da Rússia no espaço, uma vez que isso ameaçava expor suas operações espaciais secretas usando tecnologias de engenharia reversa adquiridas da Alemanha nazista e derrubou espaçonaves alienígenas. Ainda mais sensíveis foram os acordos alcançados com a colônia separatista alemã na Antártica e diferentes grupos extraterrestres.

Nas décadas subsequentes, o Grupo MJ-12, trabalhando por meio da CIA, estava no controle das operações secretas e atividades de inteligência no espaço. Isso foi possível graças a um enorme orçamento negro de mais de um trilhão de dólares anualmente que a CIA canalizava para vários programas classificados e agências de defesa, como o National Reconnaissance Office.

O Departamento de Defesa e o gabinete executivo do presidente ficaram sem saber exatamente o que estava acontecendo na órbita da Terra e além. 

Antes de se tornar Secretário de Defesa em 20 de janeiro de 2001, Donald Rumsfeld chefiou uma Comissão de Segurança Nacional nomeada pelo Congresso que entregou um relatório recomendando a criação de um Corpo Espacial para defender os EUA de um Pearl Harbor Espacial:

Um ataque a elementos dos sistemas espaciais dos EUA durante uma crise ou conflito não deve ser considerado um ato improvável. Se os EUA quiserem evitar um “Pearl Harbor Espacial”, precisam levar a sério a possibilidade de um ataque aos sistemas espaciais dos EUA. Os líderes da nação devem assegurar que a vulnerabilidade dos Estados Unidos seja reduzida e que as consequências de um ataque surpresa aos recursos espaciais dos EUA sejam limitados em seus efeitos.

O uso do espaço na defesa dos interesses dos EUA pode exigir a criação de um departamento militar para o espaço em alguma data futura ...

Um Corpo Espacial dentro do Departamento da Força Aérea pode ser um modelo apropriado por si só ou uma estação intermediária útil na evolução para um Departamento Espacial.

Apenas oito meses depois, em 10 de setembro de 2001, quando a legislação do Congresso para um Corpo Espacial estava prestes a ser revelada, Rumsfeld revelou que 2,3 trilhões de dólares não podiam ser contabilizados e declarou que a burocracia do Pentágono era a maior ameaça da América :

O tema de hoje é um adversário que representa uma ameaça, uma grave ameaça, para a segurança dos Estados Unidos da América . Este adversário é um dos últimos bastiões do planejamento central do mundo, governa ao ditar planos de 5 anos ... Você pode pensar que estou descrevendo um dos últimos ditadores decrépitos do mundo, mas seus dias também estão quase no passado e eles não podem igualar a força e tamanho deste adversário. O adversário está mais perto de casa, é a burocracia do Pentágono ... Neste edifício, apesar da era de recursos escassos, tributados por ameaças crescentes, o dinheiro desaparece em duplicidade de deveres, burocracia inchada, não por ganância, mas por engarrafamento. A inovação é sufocada não por más intenções, mas pela inércia institucional.

Em seu discurso, Rumsfeld não estava apenas identificando as razões para o dinheiro desaparecido, mas também sinalizando que ele poderia ser usado para financiar iniciativas necessárias, embora caras, do Pentágono, como o Space Corps.

Um dia após seu discurso provocativo, os ataques terroristas de 11 de setembro (bandeira falsa) envolveram os Estados Unidos em guerras intermináveis ​​no Oriente Médio contra uma ameaça terrorista global planejada. Consequentemente, a proposta de um Corpo Espacial foi engavetada por quase 20 anos, até o segundo ano da presidência de Donald Trump.

Em 13 de março de 2018, o presidente Trump apresentou pela primeira vez e, nos meses seguintes, propôs formalmente a criação da Força Espacial como um 6º ramo das Forças Armadas dos EUA.

Como o presidente Kennedy antes dele, Trump teve uma visão ousada de cooperar com a Rússia para implementar sua agenda presidencial e encerrar a nova Guerra Fria. Durante sua primeira campanha eleitoral presidencial, Trump fez muitas aberturas para que o presidente Putin da Rússia cooperasse em uma série de questões globais.

Novamente, como Kennedy, Trump previu o lançamento de novas tecnologias para levar a humanidade a uma nova era de prosperidade e cooperação. Isso é evidenciado no discurso inaugural de Trump em 2017, onde ele disse :

Estamos no nascimento de um novo milênio, prontos para desvendar os mistérios do espaço, para libertar a terra das misérias das doenças e para aproveitar as energias, indústrias e tecnologias de amanhã.

Como Kennedy, Trump convocou missões lunares conjuntas com outras nações com viagens espaciais, incluindo a Rússia. Em 11 de dezembro de 2017, o presidente Donald Trump emitiu a Diretiva de Política Espacial-1, que exigia o retorno dos humanos à Lua, a exploração comercial do espaço e as missões humanas a Marte e além.

Diretiva apelava a “um programa inovador e sustentável de exploração com parceiros comerciais e internacionais para permitir a expansão humana em todo o sistema solar e trazer de volta à Terra novos conhecimentos e oportunidades”.

Assim como Kennedy havia tentado contornar a oposição do Deep State para que ele ganhasse acesso a arquivos confidenciais de OVNIs, a proposta da Força Espacial de Trump é também uma tentativa de contornar o bloqueio do Deep State em lançar tecnologias classificadas de engenharia reversa que poderiam desencadear uma tecnologia revolução

Além disso, a criação da Força Espacial por Trump ameaça a tentativa do Estado Profundo de tornar a América vulnerável a um Pearl Harbor Espacial, envolvendo-a em uma guerra sem fim contra o terror. Ao mesmo tempo, o Deep State tem ajudado secretamente a China comunista por décadas a desenvolver espaçonaves antigravitacionais e a construir uma marinha espacial poderosa, como alerto em Rise of the Red Dragon (2020).

Trump está enfrentando retaliação maciça do Estado Profundo sobre seus planos de cooperação no espaço sideral, missões lunares conjuntas, encerrando a Guerra Fria com a Rússia e estabelecendo uma Força Espacial, assim como Kennedy fez antes dele.

As oito diretivas do Majestic-12, ou alguma iteração atualizada delas, estabelecem métodos drásticos que podem ser usados ​​para remover ou tirar qualquer líder político que ameace suas operações. Hoje, uma eleição roubada , ao invés de um assassinato físico, é a solução do Deep State para remover o presidente Donald Trump, mais um líder problemático, do cargo político.

A chave para entender o que está acontecendo hoje na América é identificar o misterioso grupo por trás do Assassinato de Kennedy e como sua manifestação moderna está secretamente tentando remover Trump da presidência por seus esforços para construir cooperação internacional em torno de uma série de espaços iniciativas relacionadas. 

22 de novembro vai marcar o 57 º aniversário do assassinato de Kennedy. Os verdadeiros perpetradores permaneceram habilmente nas sombras e nunca foram processados ​​por seu crime. Assim, seus sucessores continuam a traçar e implementar agendas do Estado Profundo que remontam às oito diretrizes originais do MJ-12.

[Nota: Para saber mais sobre o assassinato do presidente Kennedy, o grupo por trás dele, e por que esta informação tem um link crítico para a batalha épica do presidente Trump hoje, realizarei um webinar intensivo no domingo, 22 de novembro de 2020 - clique aqui ou banner abaixo para mais informações].

© Michael E. Salla, Ph.D. Aviso de direitos autorais

https://exopolitics.org/kennedys-last-stand-the-trump-card/?fbclid=IwAR0N3B2ULgfj0gh7hD1mRZONCty8JFmI4xReSmKLZnkSi4jdc2KQdI-pOws