sábado, 2 de junho de 2018

Venezuela na invasão do Território Essequibo e a incapacidade do Brasil submisso ao Foro em seguimento a União Soviética

Nota minha: A Chevron presente desde 1920 na Venezuela: "la empresa fundada por Rockeffeller encontró ser incluida en proyectos como la explotación de tres bloques de la Faja del Orinoco Según Ocando, Chevron fue fundamental para lograr que el chavismo tuviera contacto con factores de poder en EEUU". Questiono? Rockfeller pertence a cabala dos lúcifer que no momento querem destruir os EEUU por este não aceitar a Nova Ordem Mundial luciferiana, e Maduro na Venezuela está privatizando tudo o que até hoje a Venezuela conquistou até o que não lhe pertence; assim, Maduro continuando as intenções de Chaves, quer invadir, expropriar, tomar o Essequibo a Guyana  Maduro designou um coronel aposentado do exército, Pompeyo Torrealba, para liderar uma agência governamental recém-formada, o "Essequibo Rescue Office", cujos planos incluem a emissão de 200.000 carteiras de identidade venezuelanas para os guianeses que vivem na área. Assim, Chaves fez com o Território Yanomami (por imposição de Lula, homologada como contínua em 2008 pelo comunista STF brasileiro) alocando lá índios venezuelanos dizendo serem índios brasileiros. 
- : Chaves/Maduro são genocidas, mata o povo venezuelano pelo socialismo do proletariado adotado para a Venezuela nos mesmos moldes da antiga União Soviética;
Que Deus ilumine a América Toda, e que surjam homens honrados, destemidos, para eliminar a cabala luciferiana da face da terra.
Resultado de imagem para faja petrolifera del orinoco
La Faja Petrolifera del Orinoco, es la fuente de hidrocarburos líquidos más grande del mundo. El 1º de mayo de 2007, el Gobierno venezolano concretó la nacionalización de la Faja Petrolífera del Orinoco. http://www.psuv.org.ve/temas/noticias/1%C2%B0-mayo-6-anos-nacionalizacion-faja-petrolifera-orinoco/#.W0X6_tVKiM8
ASSIM, MADURO HERDANDO DE CHAVES, QUEREM INVADIR A GUIANA PARA TOMAR O "ESSEQUIBO" GUYANA INCLUSIVE A CALHA NORTE BRASILEIRA(Cassiquiare), PARA LIGAR A VENEZUELA AO ATLÂNTICO(O grande porto para China levar para Eurásia a preço de banana tudo o que possui os países da América Latina, "atual União Soviética"):


ADENDO JULHO/2018, Cabala islâmica:
Enfim, o objetivo de Maduro financiado pela  cabala da oligarquia financeira internacional que apoia o Islam e o envolvimento  da  
nWo da cabala eurasiana, fabiana e islâmica.

cabala eurasiana
Resultado de imagem para canal da nicaragua 2018
Cabala fabiana:

Chevron

Es una empresa petrolera estadounidense constituida por la familia Rockeffeller en 1911, bajo el nombre de Standard Oil California. En 1984, sus dueños compraron la Gulf Oil Corporation, por lo que desde entonces se denominó Chevron. En Venezuela, Chevron está presente desde 1920, cuando se realizó el descubrimiento de los yacimientos de Campo Boscán, estado Zulia. En 2006 se alió con PDVSA en varios proyectos, produciendo hoy en día 60.000 barriles diarios de crudo y 27 millones diarios de pies cúbicos de gas natural, a través de las empresas conjuntas PetroBoscán, PetroIndependencia, PetroPiar y la Plataforma Deltana, empleando alrededor de 50 mil trabajadores. Es la única empresa petrolera estadounidense que ha mantenido buenas relaciones con el chavismo desde 1999. El periodista Casto Ocando, autor de Chavistas en el Imperio (Cyngular, 2014) recuerda que la primera empresa privada transnacional que se reunió con el presidente Hugo Chávez al inicial su mandato en 1999, fue Chevron. La compañía participó también en una negociación binacional para el desarrollo del proyecto del gasoducto Colombia-Venezuela, que se inició en 2003 y se concluyó en 2008. Públicamente Chávez reconoció a Chevron por su cooperación con el país. Por su parte,. la empresa fundada por Rockeffeller encontró ser incluida en proyectos como la explotación de tres bloques de la Faja del Orinoco Según Ocando, Chevron fue fundamental para lograr que el chavismo tuviera contacto con factores de poder en EEUU. En Latinoamérica la han acusado de daños medioambientales como el ocurrido en la Amazonía ecuatoriana.
Actualizado 29-08-2014


As informações da Mídia aonde colocam  Maduro como prejudicado financeiramente (grifos meus)




O presidente venezuelano Nicolas Maduro eleito inconstitucionalmente através de fraudes está enfrentando uma série impressionante de problemas numerosos e severos demais para listar aqui. As coisas já estavam indo mal antes que os preços globais do petróleo caíssem, então agora estão muito piores.

Com o petróleo venezuelano caindo para cerca de US $ 50 o barril, o governo de Maduro vem devorando suas reservas de moeda estrangeira e mergulhando mais fundo na dívida, embora não seja rápido o suficiente para manter os supermercados abastecidos. A inflação anual é a mais alta do mundo, e a maior cédula do país, 100 "Bolívares Fortes", vale agora apenas 17 centavos de dólar no mercado negro. O país pode em breve ficar sem cerveja.

Falsa preocupação com o povo venezuelano

Pode ser uma surpresa, então, ver que a preocupação mais urgente do presidente venezuelano nos últimos dias não é a falta de leite, material cirúrgico ou contraceptivos, ou ajudar o povo venezuelano. É uma campanha vigorosa e barulhenta para assumir o controle de uma grande faixa de savana e selva da América do Sul, conhecida como Essequibo, que pertence à vizinha Guiana.

Nos últimos dias, Maduro tem assegurado aos venezuelanos, muitos dos quais estão ocupados e com dificuldades, fazendo compras de mantimentos e produtos básicos, que seu governo está trabalhando para alcançar uma "grande vitória" e assumir o controle do disputado Essequibo, uma área igual a dois. -thirds do território guianense.  (Bandido,Roubar território!)

A posse do Essequibo - nomeado para o grande rio da floresta Amazônica fluindo através dele - foi concedida à Guiana, então uma colônia britânica, por um juiz de arbitragem em 1899. A Venezuela contestou a decisão como injusta em 1962, e a disputa tem sido silenciosamente fervilhante desde então.

Como Maduro ousa falar nos avós, nos antepassados dos venezuelanos, se ele está assassinando o povo venezuelano?

"Vamos recuperar o que nossos avós deixaram para nós", disse Maduro a seu país na semana passada. Ele pediu ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que forneça uma nova rodada de arbitragem internacional, enquanto promete "uma grande vitória" sobre a Guiana "por meios pacíficos".

Maduro designou um coronel aposentado do exército, Pompeyo Torrealba, para liderar uma agência governamental recém-formada, o "Essequibo Rescue Office", cujos planos incluem a emissão de 200.000 carteiras de identidade venezuelanas para os guianeses que vivem na área. O mesmo Chaves fez quando aconteceu a demarcação como contínua do território Yanomami em Roraima/Brasil quando Chaves e Lula alocou lá falsos índios venezuelanos para demarcar o território como "indígena".

[Novas sanções dos EUA perdidas na tradução da Venezuela]


Torrealba disse que planejaria uma campanha publicitária para as famílias guianenses que vivem na floresta, visando "aproximar-se delas, conhecê-las, conquistá-las e conquistar seu amor".

Deixando de lado por um momento a questão das prioridades políticas e econômicas, a tentativa de assumir o controle de dois terços da Guiana é um tanto estranha à luz da reputação suada do mentor político de Maduro, o falecido Hugo Chávez, como um grande de coração, incansável defensor dos pobres do mundo.

Afinal, a pequenina Guiana é um dos países mais pobres da América do Sul, enquanto a Venezuela está no topo das maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo.

A Guiana estava aparentemente decidida a fechar essa lacuna e a aproveitar sua geografia quando assinou um contrato de perfuração offshore com a ExxonMobil. Em maio, a empresa anunciou um "achado significativo" a 120 milhas da costa da Guiana, adjacente ao disputado Essequibo.

O governo venezuelano, que se opôs à operação da empresa na área, exigiu a saída da ExxonMobil. Maduro então emitiu um decreto reivindicando o controle venezuelano sobre as águas ao largo da costa do Essequibo e um pouco além disso. O decreto deixou pouco mais que uma pequena fatia lamentável de mar para a própria Guiana.

 venezuela-guyana-essequibo

A disputa pressionou as tensões entre os dois países ao seu ponto mais alto em décadas, particularmente quando Maduro explode a "agressão" guianesa e acusa o presidente David Granger, que assumiu o poder em maio, de "provocar" seu país, colocando-o como um lacaio de estrangeiros. empresas de petróleo e imperialismo dos EUA.

Não ajuda que a Venezuela tenha uma longa disputa com a ExxonMobil também, decorrente da nacionalização de Chávez das propriedades da empresa em 2007. Outras multinacionais dos EUA, como a Chevron, continuam a trabalhar em parceria com o governo de Maduro.

O Governo eleito na Guiana de hoje não é comunista, não é de esquerda assim, Maduro quer invadir a Guiana.

Durante os 14 anos em que Chávez foi presidente, as reivindicações concorrentes de Essequibo foram amplamente suavizadas por generosos subsídios ao petróleo para a Guiana, através do programa de assistência Petrocaribe da Venezuela.

Mas a eleição de Granger acabou com duas décadas de governo do partido de esquerda que foi amigo de Chávez e Maduro. Ele denunciou a campanha de Maduro como "desagradável e opressiva", vendo-a como uma ameaça militar velada.

Discursando em uma cúpula de estados caribenhos do Caribe no início deste mês, Granger disse que "qualquer estado que sistematicamente, cinicamente e sedosamente busque repudiar acordos internacionais solenes e solapar a segurança e a soberania de outro Estado deve ser condenado".

O grupo de nações da CARICOM, que inclui alguns dos maiores beneficiários da generosidade petrolífera venezuelana, ficou na semana passada com a Guiana. Eles conclamaram Maduro a retirar sua reivindicação à reivindicação marítima da Guiana.

Mas Maduro parece ter pouco incentivo para  voltar o nacionalismo.



Fontes, pesquisa:

http://brasilsoberanoelivre.blogspot.com/2018/02/maduro-ameaca-guiana-e-brasil-diz-ser.html
https://medium.com/@johannslopes/o-que-est%C3%A1-acontecendo-na-guiana-b62b1a7abeae

Venezuela na invasão do Território Essequibo e a incapacidade do Brasil submisso ao Foro luciferiano.

Presidente da Guiana avisa que Maduro, Venezuela, quer a guerra para anexar seu País
Líder da Guiana apela aos EUA em disputa territorial com invasão da Venezuela

Venezuela: "refugiados" alocados em Roraima/Brasil divisa com a Guiana Essequibo para tomar o território!


Nenhum comentário: