sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Tríplices fronteiras brasileiras: Narco-Estado Brasil, Venezuela, Bolívia, Colômbia/FARC

Que as comparações abaixo, sirvam para  alertar sobre o avanço do tráfico de drogas e armas. Infelizmente, os fatos chegam ao conhecimento da sociedade quando está absolutamente sem controle. E as instituições brasileiros que recebem fortunas para cuidar da integridade, segurança e honra do patrimônio brasileiro, nada fazem, nada fizeram. Resta irmos colocando atos de bravura nas forças que estão  segurando a nação.
*******************
Em 26 de fevereiro de 1991, um grupo de 40 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC que se autodenominava "Comando Simon Bolivar", adentrou em território brasileiro, próximo a fronteira entre Brasil e Colômbia, às margens do Rio Traíra no Estado do Amazonas, e atacou de surpresa o Destacamento Traíra do Exército Brasileiro, que estava em instalações semi-permanentes e possuía apenas 17 militares, efetivo muito inferior a coluna guerrilheira que o atacara. Operações de inteligência afirmam que o ataque foi motivado pela repressão exercida pelo destacamento de fronteira ao garimpo ilegal na região, uma das fontes de financiamento das FARC. Nesse ataque morreram três militares brasileiros e nove ficaram feridos. Várias armas, munições e equipamentos foram roubados[8].
https://www.youtube.com/watch?v=2YN2eDwfVfk
Com o ingresso de Lula na presidência e o Foro de São Paulo tendo como membro as FARC iniciou o transtorno das FF AA na Amazônia:
Já funcionando o Fôro de SP fundado secretamente no Brasil em 1990 por Lula, Fidel, KGB, FARC,... Raúl Reyes FARC  se aproxima do tenente-­coronel “fenômeno Chávez” no começo de 1997,quando Chávez  começa a se achar como possível ganhador nas eleições presidenciais de dezembro de 1998. Raúl Reyes, chanceler itinerante da guerrilha, viaja à Caracas para oferecer a Chaves um empréstimo de 5 milhões de dólares para a campanha, como fez posteriormente a Lula.
Resultado de imagem para Raúl Reyes FARC e LulaResultado de imagem para Raúl Reyes FARC e Lula
Chávez inicia seu mandato no começo de 1999 com um furioso discurso anti­-governo e anti­-oligarquia colombianos, proibindo o ingresso de caminhões de carga neo­granadinos no território nacional, que estavam permitidos pelos acordos da CAN à 50 anos. Dai em diante na Venezuela, quem dizia FARC dizia narco-­guerrilha, pode­-se afirmar que estamos na presença de um narco-­Estado.

Quando se rompem as conversações de paz em San Vicente del  Caguán entre o governo de Andrés Pastrana,  as FARC, decide­-se pela continuação da guerra e a organização guerrilheira necessita agora mais que nunca de seu aliado venezuelano para manter­-se a salvo e triunfar. 
- Desse tempo conta­-se que o governo de Hugo Chávez, que se fez representar oficialmente nas conversações de paz pelo parlamentar Pablo Medina e o capitão Ramón Rodríguez Chacín,  se compromete a dar uma ajuda mais eficaz às FARC e, portanto, separa Medina da direção das relações com a guerrilha que mantinha desde 1996, e passa­-as ao capitão Ramón Rodriguez Chacín.
FARC kidnapping
As FARC lhes oferecem uma solução: as fronteiras, rios, costas, rodovias, portos e pistas aéreas venezuelanas estão à sua disposição, pois os “revolucionários” que acabaram por  tomar o poder entendem que, à parte de uma excelente fonte de ingressos, o narco­tráfico é uma forma de aplicação da “Guerra Assimétrica” que estabelece que não se deve desprezar uma ferramenta ideal para “branquear” o império e seus aliados europeus, já que são os primeiros consumidores de uma substância que, finalmente, inabilita sua juventude, classe profissional e liderança.

É o início de uma nova época que augura a ancoragem do narco­tráfico na Venezuela, mas não como uma atividade de produção de coca, processamento de pasta e refinação de cocaína, senão de prestação do serviço do transporte, da mesma maneira que os cartéis mexicanos também operam como receptores de cocaína da Colômbia que transportam para os Estados Unidos.

E Luiz Inácio Lula da Silva manda construir  em 2004 pista de pouso, Chaves disse na época: "Criada  para combatir el narcotráfico y el tráfico ilegal de armas y mercancías!".  Fica em Pacaraima próxima a sede da Venezuela da Aduana Ecológica de Santa Elena de Uaarén, Órgão similar a receita Federal, Fronteira do Brasil e Venezuela.  São 1800 metros e uma área de manobras com estrutura para receber os mais variados tipos de aeronaves, inclusive cargueiros militares para o transporte de tropas e toda a sua lógica. A saída da área de manobras segue por uma estrada que vai dar direto nos fundos do 3o. Pelotão Especial de Fronteira do Exército (3⁰.PEF). O Pelotão que possui um efetivo de 63 homens fica localizado há 1160 metros da pista de pouso. A pista de pouso em Pacaraima foi ampliada e totalmente estruturada para receber aeronaves de grande porte no governo de Luiz InáciLula da Silva. Um local perfeito para receber tropas provenientes das Forças Armadas da Venezuela.
 -Corte de luz deixando a cidade às escuras e vulnerável.
- Pista com estrutura para receber aeronaves de transportes de tropas e logística.
- Estrada do pátio de manobras da pista que leva direto para os fundos do 3o. PEF.
- Pelotão Especial de Fronteira com pequeno efetivo.
- Projeto que deixa vulnerável o Brasil com controle total da entrada terrestre entre Brasil e a Venezuela.
O próprio Chávez não estava adormecido sobre o tema e em meados de 2005, decide pela ruptura do acordo que existia entre o governo venezuelano e a DEA-Drug Enforcement Administration  sobre a luta anti­-droga, expulsa os funcionários desta última, proíbe suas operações aéreas na perseguição de narcotraficantes e limpa os céus para que estes possam operar livremente.

Dilma ordena retirada do Exército brasileiro da fronteira Bolívia em Mato Grosso do Sul. A permanência das forças armadas, na região da fronteira, para combater crimes transnacionais, como tráfico de drogas, roubos de veículos, descaminho e contrabando, como defende algumas autoridades, está descartada. 
O comandante Militar do Oeste (CMO), general João Francisco Ferreira, apresenta ao ministro Amorim e ao comandante do Exército, general Enzo Peri, os equipamentos a serem utilizados no Sisfron.
Para que equipamentos se as fronteiras ficarão escancaradas? O comandante Militar do Oeste (CMO), 
general João Francisco Ferreira, apresenta ao ministro Amorim e ao comandante do Exército,
 general Enzo Peri, os equipamentos a serem utilizados no Sisfron.
Chefe do Comando Militar do Oeste (CMO), general João Francisco Ferreira, disse que o emprego do Exército, Marinha e Aeronáutica nesse tipo de ação “não pode ser permanente” porque contraria a legislação!!. A afirmação foi feita em Cáceres, durante inspeção do alto comando do Exército, na operação Ágata 3, na divisa com a Bolívia.
 
General Rene Sanabria, ex-chefe do Departamento Antidrogas da Bolívia. Ele cumpre pena nos Estados Unidos pelo envio de toneladas de cocaína escondidas em contêineres(Arquivo/AP-Veja.com)
Em 2007,  o Congresso brasileiro autorizou o país vizinho Bolívia a abrir um Depósito Franco no Porto de Paranaguá. Com isso, a Bolívia pode usar as instalações do porto paranaense para o envio e recebimento de suas cargas. A medida foi apresentada ao Congresso pelo governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2007 para agradar o colega Evo Molares, que havia sido eleito um ano antes. Os Estados Unidos por Carlos Toro, ex-informante da DEA (a agência americana antidrogas), revelou que a Justiça Americana tem sob a mira uma série de autoridades do círculo próximo do presidente Evo Morales. A mais importante delas é o seu vice-presidente Álvaro García Linera. Em 2011, o então chefe de operações antidrogas da Bolívia, Rene Sanabria, foi preso em flagrante no Panamá, depois que uma investigação identificou que uma quadrilha de traficantes controlada por ele despachou toneladas de drogas escondidas em contêineres de cargas por meio dos portos chilenos. Somente entre os meses de janeiro e fevereiro de 2010, o militar enviou 4,7 toneladas de cocaína para oito países de destino [4].
  • Os bolivianos já possuem duas "saídas" para o mar por meio dos portos chilenos de Arica e Iquique. O histórico das atividades criminosas de agentes do estado boliviano nos dois terminais acende o sinal vermelho para o Brasil.
A frase que Chávez dirá em 5 de fevereiro de 2008: “A Venezuela não limita sua fronteira ocidental com a Colômbia, senão com as FARC e suas leis "as leis do Fôro de São Paulo”.
Uma grande área da plantação de coca foi descoberta em ação conjunta das polícias do Brasil e do Peru. A plantação foi feita em áreas de índios ticunas, que vivem na região de fronteira entre os dois países próximo ao Rio Solimões
A relação entre índios e traficantes extrapola a de produtor e comprador. Em muitos casos, é de cumplicidade.  A criminalidade explodiu. 
Em Tabatinga, no extremo oeste do Amazonas e na tríplice fronteira entre Peru, Colômbia e Brasil, o número de assassinatos chegou a 32 nos primeiros oito meses de 2012, ante dezessete em todo o ano de 2010. Que índio vai reclamar com traficante armado de fuzil?”, alguns criminosos acabam se instalando dentro das próprias aldeias ou convencem algum indígena a se tornar dono de uma pequena boca para abastecer o consumo local. 
Em 2013 Jerjes Justiniano es el embajador del narcoEstado boliviano en Brasilia[6]
O ex-presidente Lula recebe presente do vice-presidente boliviano Álvaro García Linera durante seminário no Instituto Lula, em São Paulo - 05/10/2015
O ex-presidente Lula recebe presente do vice-presidente boliviano Álvaro García Linera durante seminário no Instituto Lula, em São Paulo. O político boliviano está na mira da DEA, a agência antidrogas dos Estados Unidos(Ricardo Stuckert/Instituto Lula) [5]
A Bolívia ganhou o direito de exportar pelo porto de Paranaguá. No Chile, onde o país tem o mesmo benefício, o narco-estado de Evo Morales traficou dezenas de toneladas de cocaína escondidas em contêineres despachados por membros de seu governo. O que define um narco-estado é a forma como o aparato estatal é usado para acobertar e, sobretudo, fomentar os negócios associados ao tráfico de drogas[8]. (Luciano Coutinho-veja)

É assustador, a exposição a respeito da fronteira brasileira com a Colômbia e Venezuela Fronteira Tríplice do Norte; Mais preocupante ainda é o aumento da produção de cocaína na Bolívia e a criação do "maior centro de contrabando da América do Sul" na região da Tríplice Fronteira Sul, entre Brasil, Paraguai e Argentina [2,3] (nos indagamos! por que o governo enviou sua tropa disfarçados de MST para tomar Araupel localizada nessa fronteira do sul do Brasil?)
fronteira tríplice do norte

fronteira tríplice do sul
Na Venezuela são majoritariamente públicos, estatais, infiltraram e contam com o apoio dos poderes públicos e de instituições como a FAN (Força Armada Nacional), pelo qual pode­-se afirmar que estamos na presença de um narco-­Estado.  

Sobre isto teriam que estar falando a Assembléia Nacional,   o Ministério Público e o homem que está sendo acusado de ser o capo do “Cartel dos Sóis”, Diosdado Cabello, mas que muito no estilo Pablo Escobar, Rodríguez Orejuela, Chapo Guzmán e os cartéis de Sinaloa e de Guerreros Unidos, está ameaçando seus denunciantes e acusadores com a morte.
Sim, senhores leitores,  "Cartel dos Sóis" Diosdado Cabello da Venezuela que mantém estreitas relações no Brasil, para tratar de negócios com a presidente  Dilma Rousseff  e o ex-presidente Lula da Silva.
 https://www.facebook.com/sheresade.queen/videos/670319859771443/?theater

"A vantagem estratégica desenvolvida por bons guerreiros é como o movimento de uma pedra redonda, rolando por uma montanha de 300 metros de altura. A força necessária é insignificante.; o resultado, espetacular." Sun Tzu.
Mais espetacular ainda é pensarmos! Como o Fôro de SP processa a lavagem do produto do tráfico de Armas e Drogas na América Latina?  


Fontes:
http://www.forte.jor.br
http://www.wikipedia.org/wiki/fronteira_Bolivia-Brasil
http://www.2bfron.eb.mil.br
http://www.eb.mil.br
Carlos Evangelista é jornalista (ESEEI) e especialista em Sociologia Política (UFPR). Este artigo reflete as opiniões do autor. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.
- See more at: http://www.militaresbrasil.com/2015/03/02032015-exercito-brasileiro-sera.html#sthash.y26LymW7.dpuf
[2]http://ururau.com.br/brasilmundo7132_Planta%C3%A7%C3%B5es_de_Coca%C3%ADna_na_Amaz%C3%B4nia_preocuam_Ex%C3%A9rcito_Brasileiro 
[3]http://brasilsoberanoelivre.blogspot.com.br/2012/08/a-cocaina-no-limite-indios-as-novas.html
[4] http://www.segurancaportuariaemfoco.com.br/2015/10/o-perigo-do-narcoporto.html
[5] http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/o-perigo-do-narcoporto
[6] http://www.datos-bo.com/Mundo/Actualidad/Veja-Jerjes-Justiniano-es-el-embajador-del-narcoEstado-boliviano-en-Brasilia#!prettyPhoto/1/
[7] http://www.djibnet.com/photo/%C3%81gata+5/o-comandante-militar-do-oeste-cmo-general-joao-francisco-ferreira-apresenta-ao-ministro-amorim-e-ao-comandante-do-exercito-general-enzo-peri-os-equipamentos-a-serem-utilizados-no-sisfron-7748483856.html
[8] http://veja.abril.com.br/brasil/o-perigo-do-narcoporto/
[8] https://pt.wikipedia.org/wiki/Opera%C3%A7%C3%A3o_Tra%C3%ADra

Nenhum comentário: