quarta-feira, 18 de março de 2015

Fica evidente para quem lê, para onde foram e vão os recursos nacionais: Intervenção Militar é Constitucional, é Preciso!

Nota minha: Devemos entender os fatos que ocorre no nosso país Brasil em que o Foro de São Paulo comandado por Lula da Silva criou a Unasul e o BRICS. não pensamos em ser serviçais de país nenhum do mundo muito menos sermos submissos aos fabianos e aos eurasianos no entanto, os conflitos que está ocorrendo, poderemos ter futuramente em nossas águas territoriais a OTAN e isso não queremos de modo algum, entendam um pouco do que ocorre: 


A  importância para o Brasil da Intervenção Constitucional Militar:

O artigo que abaixo relato aos senhores é veiculado pela esquerda do PT. Ao ler, verão que a esquerda acusa  o partido PSDB que sabemos a fundo também ser da esquerda de conspirar contra o governo da Sra. Dilma Rousseff da esquerda. Declaram abertamente o ódio pelos Estados Unidos, culpando-o de tramarem contra a soberania brasileira para se apoderarem do Pré Sal (Pré-Sal invenção mentirosa do PT). Sem jamais  o governo atual  do PT assumirem a culpa pelo desmonte na empresa brasileira de petróleo Petrobrás seus derivados e componentes.

Por nenhum momento, a esquerda se refere aos escândalos por eles praticados no mensalão, petrolão, com o aparelhamento dos órgãos institucionais comprados com o fruto dos desvios do erário. A esquerda bate no peito dizendo da vitória da Sra. Dilma na formação do Banco de Desenvolvimento dos BRICS, com capital inicial autorizado de 100 bilhões de dólares e um fundo de reserva de outros 100 bilhões de dólares, quando ela (Dilma) também apóia uma nova Moeda de Reserva Internacional para complementar e eventualmente substituir o dólar, atingindo assim as diretrizes do Foro de São Paulo –  E o que os brasileiros não sabem, o Brasil e os Membros da Unasul assinou uma declaração de apoio a  Venezuela, contra a ameaça dos EUA (mainly because Brazil and UNASUR members has signed a declaration supporting Venezuela, against US)


Fica evidente para quem lê, para onde foram e vão os recursos nacionais: — "Juros"dívida!!!". O dispositivo do art. 164/166 da Constituição, que privilegia o “serviço da dívida” 44,9% ao mês para onde? nela foi inserido por meio de grosseira fraude. Ele nunca foi aprovado, nem mesmo votado, nem sequer discutido ao longo de todo o processo da Constituinte; — Soma-se a  isso outro agravante, a lavagem de dinheiro no BNDES, originando empréstimos secretos para  nacionais e não nacionais com duração de longos anos, e sem qualquer transparência [2];  —  Somente o Tesouro, injetou no BNDES, segundo balanço semestral de 2014, exatos R$ 461,4 bilhões, nominal. sem considerar a equalização de juros; — Está hoje o Tesouro comprometido; — Não entro no descaminho dos minérios, mas menciono abaixo,  links para pesquisa.[1,3]


O PT representado  pelo Foro de São Paulo está agindo com rapidez; deduzimos  que o governo PT desmontou as empresas nacionais brasileiras para  armazenar recursos e assim,  secretamente, ingressar no BRICS. O governo não se preocupou por nenhum momento nos cortes de verbas que fariam para a qualidade de vida da sociedade brasileira que insatisfeita, revoltada, pelo sucateamento da saúde, educação, custo de vida, iniciou os protestos contra o governo atuante.O governo brasileiro culpa os EUA por revoltar a população, o que não é verdade, o povo brasileiro acordou para a realidade perversa que as governanças secretamente, estão conduzindo o Brasil.
Dentro do Brasil e perante o mundo, o  governo PT se diz apoiado por milhões de brasileiros de baixa renda que foram retiradas da pobreza pelo  Bolsa Família; na realidade, a ajuda fornecida pelo governo exige o cadastro dos beneficiários e essas famílias são alienadas a votarem no partido do PT da Sra.Dilma Rousseff sob ameaça de perderem os benefícios, caso o governo perca as eleições.  As regiões mais pobres do país aonde se alocam as famílias necessitadas foras para as ruas em protesto contra o governo.
                      Pernambuco, São Luiz do Maranhão, Bahia, Belém do Pará...
Foto: Julio Jacobina/DP/D.A Press
Foto: Julio Jacobina/DP/D.A PressManifestantes protestam em São Luís contra governo e corrupção

Manifestação toma conta do centro de Belém

É MUITO PREOCUPANTE PARA O POVO BRASILEIRO QUE HOJE APARTIDÁRIO VÊ O EX-PRESIDENTE LULA CONVOCANDO O MST (STÉDILE) QUE É TREINADO NO BRASIL PELA VENEZUELA À ATACAR OS BRASILEIROS DENTRO DO BRASIL.

O DESVIO DO ERÁRIO PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS IMPOSTAS PELO FÔRO DE SP PELA ENTRADA NO BRICS, BRICS CABLE, URSAL, LEVOU O GOVERNO AO MAIOR ESCÂNDALO DE CORRUPÇÃO DA HISTÓRIA, E A DESESTABILIZAÇÃO DA ECONOMIA,  OS BRASILEIROS SEM SABEREM O QUE OCORRE DEVIDO A MÍDIA QUE NÃO DIVULGA, SÃO LEVADOS AO DESESPERO, SOFRENDO O DESEMPREGO EM MASSA.

Maduro obtém poderes especiais na Venezuela para atacar os Estados Unidos!!! O Brasil e os Membros da Unasul assinou uma declaração de apoio a  Venezuela, contra a ameaça dos EUA! OBEDECENDO AS REGRAS IMPOSTAS PELO SECRETO FORO DE SP. Até aonde o governo vai expor o Brasil nos conflitos!

Quem venceria a Guerra em um conflito militar entre: a BRIC versus a OTAN? 
Em um cenário imaginário, a conclusão ó óbvia: 
Teríamos um conflito em escala Termonuclear. 
Haja vista que todos os Países da BRIC, com exceção do Brasil, possuem um Arsenal Atômico muito grande, especialmente a Rússia e a China somado com o arsenal Atômico da Índia, aliados a uma larga experiência de combates em guerras de longas datas da Rússia e da China, teríamos no final desse combate o quase extermínio de toda a população do plano terrestre. 
Lembre que, se China entrar em conflito com os EUA terá automaticamente o apoio incondicional de todo o aparato miliar da Coréia do Norte, um dos maiores exércitos da Ásia. 


É verdade que os EUA possuem hoje o maior e a mais preparada Forças Armadas do mundo aliado as Forças Militar da Europa, 
Porém devemos considerar que em um conflito em larga mundial, com certeza que os Mísseis Nucleares falarão mais alto do qualquer outra tecnologia existente, e no momento da explosão de um desses mísseis atômicos, quem não morrer na hora, com toda certeza estarão mortos em pouquíssimos dias pela radiação atômica. 
E dessa vez não haverá nenhum inverno Russo para dificultar a utilização dessas tecnologias de guerra altamente desenvolvida por esses Países tanto pelo lado da OTAN quanto pelo lado do BRICS. 


E o Brasil, 
Nesse contexto é o país de menor experiência de guerra, a nossa História de vida prova isto. O povo desarmado, sem qualquer chance de defesa.

Na BRICS seríamos uma Força Militar que com toda certeza vai utilizar técnicas de guerrilhas para contrabalançar as diferenças de forças militares, além de obviamente recebermos o apoio material e técnico por parte dos Russos e Chineses, haja vista que em um cenário mundial o Brasil é um País estratégico em todos os sentidos, por sua característica magnífica e especial: 


Somos um País de extensão territorial Continental, logo seria impossível de sermos dominados de cara e assim utilizaremos a experiência do Vietnã no passado, e a do Afeganistão a nosso favor para contrabalançar a nossa fraqueza em armas: O Brasil vai utilizar a Geografia a seu favor, assim como o Vietnã e o Afeganistão o faz hoje, tornando impossível de ser vencido a força por qualquer força inimiga, mesmo os EUA.

Pergunto a quem de Leis e Constituição entende: Pode um governo  eleito pelo povo, desviar recursos do povo  que é do povo, originário dos impostos que o povo paga, para usar esse erário para tramar contra outros países inclusive convidar, intimar, militâncias guerrilheiros  nacionais e não nacionais à atos de guerra contra o seu povo caso não aceitem  as pretensões impostas pelo governo, desrespeitando assim, a Constituição do País que preza o Estado Democrático de Direito?
— É importante que todos os brasileiros analisem quando a esquerda culpa a direita e vice versa, no final, compactuam dos benefícios expropriados. Que rumo teremos, se nos tiraram o direito a possuir uma arma para nos defendermos. (Sabemos  bem que aqueles que se dizem direita são também esquerda)

Surgimento de escândalo de corrupção

Durante a áspera campanha eleitoral entre Rousseff e Neves, a oposição de Neves começou a espalhar rumores de que Rousseff, que até então jamais fora ligada à corrupção tão comum na política brasileira, estaria implicada num escândalo envolvendo a gigante estatal do petróleo, a Petrobras. Em setembro, um ex-diretor da Petrobras alegou que membros do governo Rousseff tinham recebido comissões em contratos assinados com a gigante do petróleo, comissões essas que depois teriam sido empregadas para comprar apoio congressional. Rousseff foi membro do conselho de diretores da companhia até 2010.
Agora, em 2 de novembro de 2014, apenas alguns dias depois da vitória arduamente conquistada por Rousseff, a maior firma de auditoria financeira dos Estados Unidos, a "Price Waterhouse Coopers" se recusou a assinar os demonstrativos financeiros do terceiro trimestre da Petrobras. A PWC exigiu uma investigação mais ampla do escândalo envolvendo a companhia petrolífera dirigida pelo Estado.

A Price Waterhouse Coopers é uma das firmas de auditoria, consultoria tributária e societária e de negócios mais eivadas de escândalos nos Estados Unidos. Ela foi implicada em 14 anos de encobrimento de uma fraude no grupo de seguros AIG, o qual estava no coração da crise financeira norte-americana de 2008. E a Câmara dos Lordes britânica criticou a PWC por não chamar atenção para os riscos do modelo de negócios adotado pelo banco "Northern Rock", causador de um desastre de grandes proporções na crise imobiliária de 2008 na Grã-Bretanha, cliente que teve que ser resgatado pelo governo do Reino Unido. 

Intensificam-se os ataques contra Rousseff, disso podemos ter certeza.

A estratégia global de Rousseff

Não foi apenas a aliança de Rousseff com os países dos BRICS que fez dela um alvo principal da política de desestabilização de Washington. Sob seu mandato, o Brasil está agindo com rapidez para baldar a vulnerabilidade à vigilância eletrônica norte-americana da NSA.
Dias após a sua reeleição, a companhia estatal Telebras anunciou planos para a construção de um cabo submarino de telecomunicações por fibra ótica com Portugal através do Atlântico. O planejado cabo da Telebras se estenderá por 5.600 quilômetros, da cidade brasileira de Fortaleza até Portugal. Ele representa uma ruptura maior no âmbito das comunicações transatlânticas sob domínio da tecnologia norte-americana. Notadamente, o presidente da Telebras, Francisco Ziober Filho, disse numa entrevista que o projeto do cabo será desenvolvido e construído sem a participação de nenhuma companhia estadunidense.

imagem

As revelações de Snowden sobre a NSA em 2013 elucidaram, entre outras coisas, os vínculos íntimos existentes entre empresas estratégicas chave de tecnologia da informática, como a "Cisco Systems", a "Microsoft" e outras, e a comunidade norte-americana de inteligência. Ele declarou que:
"A questão da integridade e vulnerabilidade de dados é sempre uma preocupação para todas as companhias de telecomunicações".

O Brasil reagiu aos vazamentos da NSA periciando todos os equipamentos de fabricação estrangeira em seu uso, a fim de obstar vulnerabilidades de segurança e acelerar a evolução do país rumo à autossuficiência tecnológica, segundo o dirigente da Telebras.
Até agora, virtualmente todo tráfego transatlântico de TI encaminhado via costa leste dos Estados Unidos para a Europa e a África representou uma vantagem importante para espionagem de Washington.
Se verdadeiro ou ainda incerto, o fato é que sob Rousseff e seu partido o Brasil está trabalhando para fazer o que ela considera ser o melhor para interesse nacional do Brasil.

A geopolítica do petróleo também é chave

O Brasil também está se livrando do domínio anglo-americano sobre sua exploração de petróleo e de gás. No final de 2007, a Petrobras descobriu o que considerou ser uma nova e enorme bacia de petróleo de alta qualidade na plataforma continental no mar territorial brasileiro da Bacia de Santos. Desde então, a Petrobras perfurou 11 poços de petróleo nessa bacia, todos bem-sucedidos. Somente em Tupi e em Iara, a Petrobras estima que haja entre 8 a 12 bilhões de barris de óleo recuperável, o que pode quase dobrar as reservas brasileiras atuais de petróleo. No total, a plataforma continental do Brasil pode conter mais de 100 bilhões de barris de petróleo, transformando o país numa potência de petróleo e gás de primeira grandeza, algo que a Exxon e a Chevron, as gigantes do petróleo norte-americano, se esforçaram arduamente para controlar.

Em 2009, segundo cabogramas diplomáticos norte-americanos vazados e publicados pelo Wikileaks, a Exxon e a Chevron foram assinaladas pelo consulado estadunidense no Rio de Janeiro por estarem tentando, em vão, alterar a lei proposta pelo mentor e predecessor de Rousseff em seu Partido dos Trabalhadores, o presidente Luís Inácio Lula da Silva, ou Lula, como ele é chamado.[Foi revelado pelo Wikileaks que José Serra, o então candidato do PSDB que competia contra Dilma pela presidência, prometera confidencialmente à Chevron que, se eleito, afastaria a Petrobras do pré-sal para dar espaço às petroleiras estadunidenses].

Essa lei de 2009 tornava a estatal Petrobras operadora-chefe de todos os blocos no mar territorial. Washington e as gigantes estadunidenses do petróleo ficaram furiosos ao perderem controles-chave sobre a descoberta da potencialmente maior jazida individual de petróleo em décadas.
Para tornar as coisas piores aos olhos de Washington, Lula não apenas afastou a Exxon Mobil e a Chevron de suas posições de controle em favor da estatal Petrobras, como também abriu a exploração do petróleo brasileiro aos chineses. Em dezembro de 2010, num dos seus últimos atos como presidente, ele supervisionou a assinatura de um acordo entre a companhia energética hispano-brasileira Repsol e a estatal chinesa Sinopec. A Sinopec formou uma joint venture, a Repsol Sinopec Brasil, investindo mais de 7,1 bilhões de dólares na Repsol Brasil. Já em 2005, Lula havia aprovado a formação da Sinopec International Petroleum Service of Brazil Ltd, como parte de uma nova aliança estratégica entre a China e o Brasil, precursora da atual organização do BRICS.

Em 2012, uma perfuração conjunta, da Repsol Sinopec Brazil, Norway’s Stateoil e Petrobras, fez uma descoberta de importância maior em Pão de Açúcar, a terceira no bloco BM-C-33, o qual inclui Seat e Gávea, esta última uma das 10 maiores descobertas do mundo em 2011. As maiores [empresas] do petróleo estadunidenses e britânicas absolutamente sequer estavam presentes.

Com o aprofundamento das relações entre o governo Rousseff e a China, bem como com a Rússia e com outros parceiros do BRICS, em maio de 2013, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, veio ao Brasil com sua agenda focada no desenvolvimento de gás e petróleo. Ele se encontrou com a presidenta Dilma Rousseff, que havia sucedido ao seu mentor Lula em 2011. Biden também se encontrou com as principais companhias energéticas no Brasil, inclusive a Petrobrás.

Embora pouca coisa tenha sido dita publicamente, Rousseff se recusou a reverter a lei do petróleo de 2009 de maneira a adequá-la aos interesses de Biden e de Washington. Dias depois da visita de Biden, surgiram as revelações de Snowden sobre a NSA, de que os Estados Unidos também estavam espionando Rousseff e os funcionários de alto escalão da Petrobras. Ela ficou furiosa e, naquele mês de setembro, denunciou a administração Obama diante da Assembleia Geral da ONU por violação da lei internacional. Em protesto, ela cancelou uma visita programada a Washington. Depois disso, as relações Estados Unidos-Brasil sofreram grave resfriamento.


2 comentários:

Anônimo disse...

Quem é você?Está apoiando os americanos a tomarem conta da America Latina e o controle da econômica mundial?
O meu país não se entregara tão fácil as vezes os fins justificam os meios.

Unknown disse...

em um cenário desses, a própria população brasileira sabotaria o governo pois não simpatizamos com comunistas