sábado, 15 de março de 2014

Holocausto Bôeres na Africa do Sul, Rothschild, Cecil Rhodes, Governo Britânico, ouro e diamantes

Não era segredo que Cecil Rhodes e Ernest Oppenheimer trabalhavam para os Rothschilds foi esse que financiou todos os genocídios, planos grandiosos para a conquista imperial e exploração dos povos nativos na exploração do ouro e diamantes. Os Oppenheimer e os Rothchild são ambos famílias de banqueiros com descendência Suméria e Czar, e são estreitamente ligados.
Infelizmente os governos e os meios de comunicação colaboram para fabricar as "histórias". O que aconteceu para provocar as guerras e quem estava por trás, não estava escondido sim, mal escondido, os comunistas espalham que negros foram sacrificados, MENTIRA! vejam abaixo, os brancos assassinados, presos em campos de concentração enquanto os donos do mundo usurpavam suas almas.

Resultado de imagem para Cecil Rhodes trabalhou para os RothschildsResultado de imagem para Cecil Rhodes trabalhou para os Rothschilds
tradução google se não perfeita, o suficiente para o entendimento, grata.
Em meados do século XIX, parte da  África do Sul havia sido dividida entre os britânicos e os Boers. Os britânicos detidos no litoral, enquanto os Boers ocuparam o interior. As áreas costeiras do leste de Natal provou ser ideal para o cultivo de cana de açúcar, e depois de não conseguir chegar a população negra para trabalhar como operários, os britânicos desrespeitando as leis, recorreram à importação de trabalho escravo indígena  para substituir "caros" trabalhadores brancos(16).


O Ouro de Kruger
Alguns dos mais velhos poderão recordar-se que, em Moçambique, até aos anos 50 do século passado, falava-se no ouro de Kruger (o carismático e enigmático presidente do Transvaal. Desde o Congresso de Viena aquela região foi posta em domínio britânico, portanto os bôeres foram obrigados a partir para o norte, onde fundaram uma república, e este novo solo estava repleto de minerais preciosos(16). Essa região também era de interesse inglês, não só pelo conteúdo lucrativo, mas também por ser passagem entre as Índias, já que um antigo sonho era unir desde o sul africano até o Cairo, uma posição estratégica no continente. No ano de 1899, os bôeres ressentidos com a política colonial dos ingleses Joseph Chamberlain e Alfred Miner e temendo perder a região do Transvaal, empreenderam uma série de vitórias contra os ingleses até o ano de 1900.
Paul Kruger, o monumental presidente da República do Transvaal. 
Por ter permitido a criação de uma reserva natural na enorme língua de terra a nascente da sua república, na altura deram o seu nome ao futuro parque nacional.

Na Guerra de Bôeres, o fator motivador era duplo, em primeiro lugar, os estados Bôeres estavam sentados em cima de um dos maiores depósitos de ouro do mundo, com o benefício extra de sua condição de lotes de diamantes e outros minerais preciosos . 
Em segundo lugar, os Bôeres eram um grupo de europeus (holandeses Calvanists, Heugenots franceses, protestantes alemães) que tinha virado as costas para a ordem estabelecida pela Grã Bretanha  e tinham estabelecido para si uma pátria independente fora do sistema financeiro global, eles  eram donos do seu governo e controlava o  banco central deles que emitia moeda sem dívidas apoiado pelo ouro, o que significava que tinha inflação zero e zero de juros sobre o crédito.
Não era segredo que Cecil Rhodes trabalhou para os Rothschilds e foram eles que financiaram todos os seus genocídios, planos grandiosos para a conquista imperial e exploração dos povos nativos, ouro e damantes. 

Portanto, a guerra Bôres é um caso simples de um agente dos Rothschilds usando o dinheiro dos Rothschild  para armar um grupo de terroristas mercenários em seguida, enviar esses bandidos para atacar um estado de dentro provocando guerra entre o Estado e o Estado controlado pelos Rothschilds (Grã-Bretanha ).

Não é nenhum segredo que os Rothschilds emprestava o dinheiro do governo britânico para financiar a guerra para que os 1 milhão de tropas do império britânico que serviram na África do Sul eram mercenários efetivamente contratados e pagos pelos Rothschilds.

Centenas de milhares de soldados e civis morreram como resultado, ninguém sabe quantos civis morreram em  Bôeres, mas pelo menos 30 mil morreram nos campos de concentração britânicos sozinhos, ninguém sabe quantos foram mortos em suas próprias fazendas e propriedades rurais.


Portanto, o meu estudo da Guerra Bôeres, leva-me a entender como as guerras são planejadas, organizadas, provocadas e financiadas, e quem está por trás desse mecanismo mal que mata pessoas inocentes em massa, a fim de canalizar todo de ouro do mundo nas mãos de um punhado de famílias que controlam o sistema financeiro do mundo.
OS BÔERES:
Sua origem remonta ao período da colonização da áfrica do Sul. Os primeiros colonizadores bôeres ou africânderes (grupos sociais europeus que vieram da Holanda, França e Alemanha) se estabeleceram no país nos séculos XVII e XVIII;
Após a guerra dos bôeres (1900-1902), com vitória dos ingleses, é fundada a União da África do Sul em 1910;

As Guerras dos Bôeres (ou Guerras de libertação na historiografia bôeres) é o nome dado aos dois conflitos travados entre o Reino Unido e as duas repúblicas bôeres independentes, o Estado Livre de Orange e a República Sul-Africana (República do Transvaal). Os dois conflitos ocorreram, respectivamente, de 16 de dezembro de 1880 a 23 de março de 1881 e de 11 de outubro de 1899 a 31 de maio de 1902.
família boer rural, cerca de 1886
O cerne do conflito está na gradual expansão britânica pelo sul do continente africano, em territórios previamente ocupados por descendentes de antigos colonos holandeses. Ao contrário da maioria dos outros entrepostos da Companhia das Índias Orientais Holandesa, colonos estabeleceram-se naquela parte do globo (holandeses em maioria, mas não a totalidade do grupo, que incluía ainda franceses, alemães e outros grupos étnicos). Tais colonos tinham como objetivo real ocupar e habitar as áreas em que residiam, diferentemente de muitos outros pontos do império holandês, e mesmo da colônia do Cabo, que eram praticamente meros entrepostos onde os indivíduos passavam determinado tempo antes de migrarem para outro ponto e continuar a atividade mercantil. Tanto é assim que a palavra “boer” significa “fazendeiro”, “cultivador”, e não era aplicado a todos os colonos do Cabo, somente àqueles que estavam no interior, na fronteira leste da colônia.
PARTINDO DAÍ, O CAMINHO DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
  • A Inglaterra 'Rothschild" tinha ganho a batalha de Waterloo mas 39 anos antes tinha perdido os Estados Unidos para George Washington que se tornou no 1º presidente daquele país. Esta separação nunca foi bem aceite pela aristocracia inglesa que via na união das duas potências a formula mágica para se atingir o propósito de um império Anglo-americano.
Cidade do Cabo , foi a primeira parte da África do Sul a ser colonizada por europeus, os primeiros imigrantes chegaram em 1652, sob o controle de, a Companhia das Índias Orientais holandesa .


Guerra de los Boers
partilha da África

The Rothschilds finance the amalgamation of the Kimberley diamond mines in SouthAfrica. They subsequently become thebiggest shareholders of this company, DeBeers, and mine precious stones in Africa and India.

A descoberta de diamantes na região conhecida como West-Grigualand, tornaram  tensas as  relações entre as  administração britânica e a repúblicas bôeres, os diamantes  provocou uma nova onda de imigração da Europa, incluindo um número significativo de judeus. Com medo de perder o controle político, o governo Bôeres recusou-se a conceder esses novos imigrantes o direito de voto, classificando-os em vez disso como uitlanders ("estrangeiros").

Cecil Rhodes condado de Hertfordshire Inglaterra, governador da cidade do Cabo África do Sul, teve uma visão gananciosa de incorporar o Transvaal  e o Estado Livre de Orange, em uma federação sob controle britânico.
Cecil Rhodes
Em 1895, a República do Transvaal apresentava um sério problema para os britânicos. Todo o controle político estava nas mãos dos bôeres, que eram uma minoria de  camponeses trabalhadores e fervorosos leitores da Bíblia, enquanto toda a riqueza econômica estava nas mãos de uma maioria violenta e agressiva de estrangeiros (os uitlanders), a maioria dos quais vivia na nova cidade de Johannesburgo. Os uitlanders, que eram duas vezes mais numerosos que os bôeres e possuíam dois terços das terras e noventa por cento da riqueza do país, estavam impedidos de participar da vida política e de se tornarem cidadãos (exceto após 14 anos de residência) e estavam irritados por uma série de pequenas alfinetadas e extorsões (como alíquotas diferenciadas na tributação, um monopólio da dinamite, e restrições no transporte) e por rumores que o presidente do Transvaal, Paul Kruger, estava fazendo intrigas para obter algum tipo de intervenção e proteção da Alemanha." (06).


Cecil Rhodes: "... como mostra a história de todos os países, a expansão é tudo, e posto que as extensões de terra são limitadas, cabe então tomarmos desde logo as maiores porções possíveis, antes que seja tarde demais".

"Neste ponto em 1895, Rhodes traçou seus planos para derrubar o governo de Kruger por meio de um levante em Johannesburgo, financiado por ele e por Beit, e chefiado por seu irmão Frank Rhodes, Abe Bailey e outros apoiadores, seguido por uma invasão do Transvaal por uma força liderada por Jameson a partir de Bechuanalândia (NT: atual Botsuana) e da Rodésia."(07).

Cecil Rhodes "adquiriu" a maior parte das minas de ouro e diamantes na  África do Sul, 
acumulou grande  fortuna e usou seu dinheiro para financiar uma sociedade secreta e o Fundo de Bolsas Acadêmicas Rhodes(3).

DIAMANTES, UMA RELAÇÃO ANTIGA COM O POVO JUDEU
DIAMANTES, UMA RELAÇÃO ANTIGA COM O POVO JUDEU
Nas minas de Kimberley a partir 1902, também começou a atuar Ernest Oppenheimer, como agente de um comerciante londrino. Oppenheimer se tornaria depois o presidente da De Beers, de Cecil Rodhes  que ainda hoje domina a mineração de diamantes. Desde 1937, quando foi inaugurada a Bolsa de Diamantes de Israel, em uma pequena casa em Tel Aviv, muitos passos foram dados no sentido de consolidar a posição do país no mercado internacional. A Bolsa de Diamantes de Israel, cujas torres são chamadas de Shimshon, Noam, Maccabi e Diamond, está cercada por um rígido sistema de segurança. http://www.morasha.com.br/israel-hoje/diamantes-uma-relacao-antiga-com-o-povo-judeu.html 
 A Cecil Rhodes & the round table group foi criada e financiada a partir da fortuna deste senhor, na África ele era o "colossus of rhodes" e fundou o que é hoje a maior companhia de diamantes do mundo a De Beers há custa de muita criança, homem maltratado, escravidão, assassinados. 
Cecil Rhodes ingressou na Maçonaria e fez os juramentos da ordem(04).

O que poucas pessoas sabem é que foram os ingleses os inventores dos campos de concentração, onde mantiveram cativas as famílias dos combatentes bôeres (116.000 civis) e 115.000 trabalhadores negros. Nestes campos de concentração morreram mais de 40 mil civis, devido às péssimas condições de saúde. 


Em 1886 Lord Kitchener foi nomeado governador geral do Sudão oriental. Ficou célebre pela sua forma sanguinária como resolveu as resistências: basicamente pela exterminação em massa.  Kitchener restaurou assim o orgulho da Grã-Bretanha(13). 

É prova conclusiva que a supremacia branca, ou tentativas de brancos  para  pronunciar sobre  as massas  de  pessoas não brancos, é uma receita para o desastre.

Entre outras inovações, Kitchener operacionalizou um elaborado sistema de fortificações vigiadas com centenas de quilometros de comprimento, para literalmente imobilizar e caçar os rebeldes boer, que desde cedo passaram a fazer uma guerra de guerilha (termo cunhado, e forma de ação militar inventada, nas guerras napoleónicas em Portugal e Espanha).
Kitchener implementou ainda um sistema de campos de concentração, onde colocou e basicamente torturou e matou milhares de mulheres e crianças bôeres, estava no fim do dia a razão porque os rebeldes acabaram por se render.
Para além dos campos de concentração para mulheres e crianças dentro do que é hoje a África do Sul, Kitchener mandou fisicamente exilar de África os prisioneiros de guerra boer para campos de concentração localizados na Índia, no Sri Lanka, nas Bermudas e na Ilha de Santa Helena, a mesma onde Napoleão morreu exilado em 1821.
Procedeu ainda a executar uma implacável política de terra queimada nas repúblicas invadidas, em que destruiu com dinamite e fogo praticamente todas as casas, quintas, árvores, utensílios, poços, estradas, animais e colheitas dos boers. Vilas inteiras consideradas sem valor estratégico foram completamente arrasadas. 
Em 1900, Kitchener pela decisão de matar e mutilar milhões de homens jovens, foi nomeado chefe de gabinete do Senhor Roberts, comandante britânico na Guerra Boer(13).
Lord Kitchener, retratado no cartaz famoso recrutamento '
Lord Kitchener. Se fosse hoje estava preso em Haia.  Naquela altura, foi um herói do Império britânico.

A estratégia e manipulação da guerra de Bôeres pelo argentário Rhodes:

Cecil Rhodes(01) enviou 500 mercenários britânicos fortemente armados provocando o estado de Bôeres comandado por Raid Jameson, a fim de provocar uma rebelião contra o governo pelos colonos e comerciantes  britânicos que lá viviam.

Quando a revolta se enfraqueceu em Johannesburgo, Jameson atacou mesmo assim, em um esforço de reativá-la ele foi facilmente capturado pelos bôeres. As autoridades públicas envolvidas negaram envolvimento com o plano, proclamaram sua surpresa com o evento e conseguiram proteger a maior parte dos participantes na investigação parlamentar que ocorreu em seguida." (09).

Imagem do que então chamavam Comandos boer, com as suas espingardas de tiro único, excelentes para a guerra de guerrilha, algumas concebidas pelo militar português Guedes, os boers combateram quase exclusivamente com armas que tomavam do soldados britânicos que combatiam.

Cecil Rhodes sabia que tudo o que ele tinha que fazer para conquistar o estado de Bôeres era provocar a guerra, Rhodes sabia que o envio desses 500 homens a Bôres não iria conseguir seus objetivos, mas Rhodes sabia que o envio de 500 britânicos para começar uma revolta dos ingleses no Estado de Bôeres provocaria  os Bôres a tomar alguma ação contra ele é a minoria britânica.

Cecil Rhodes subornou autoridades públicas e fez vários membros de sua sociedade secreta ocuparem cargos-chave no governo inglês porque queria suporte para a vindoura revolução em Johannesburgo e a invasão do Transvaal.(10)


E assim aconteceu, o governo de Rhodes enviou as tropas para ensinar aqueles inocentes Bôeres uma lição para não se atrever a colocar as mãos sobre cidadãos britânicos.





O Exército britânico amargou 100 mil vítimas e entre 18-28 mil mulheres e crianças brancas morreram nos campos de concentração, e vastas regiões da África do Sul foram destruídas(05).


Apesar de seus sucessos no campo, os Boers foram obrigados a render-se depois que os britânicos terem  internado suas mulheres e crianças nos campos de concentração.
Emily Hobhouse, enfermeira britânica. No final do verão de 1900 percebeu que várias centenas de civis, entre mulheres e crianças boers, tinham sido vítimas de operações militares e estavam em grande pobreza.  Ela descobriu a existência de 34 campos de concentração britânicos, e entre os milhares presos havia mulheres e crianças boers. Visitou o campo de concentração de Bloemfontein a 24 de janeiro de 1901, no qual ficou chocada com as condições de vida dos civis presos, incluindo a situação física e sanitárias, além das devastações causadas por bronquite, pneumonia, disenteria e febre tifóide. Ficou especialmente tocada pelo sofrimento da pequena Lizzie van Zyl, uma criança boer que estava no limiar da morte "pela simples razão de que seu pai, um rebelde boer, se recusou a se render." A menina faminta que só falava o idioma afrikaans, sequer se fazia entender pelos médicos do campo de concentração. Emily Hobhouse tentou aliviar a miséria e melhorar a vida daquelas pessoas ao reivindicar sabão, que inicialmente foi vetado por ser considerado um item de luxo, além de água potável, tendas e produtos de primeira necessidade.





Hobhouse também visitou acampamentos em Norvalspont, Aliwal Nord, Springfontein, Kimberley e os do
Resultado de imagem para campo de Bloemfontein morte de febre tifóide durante a Segunda Guerra dos Bôeres.
campo de Bloemfonteine morte de febre tifóide durante a 
Segunda Guerra dos Bôeres.
Rio Orange nos quais constatou as mesmas cenas de desespero e miséria. Em maio de 1901, quando voltava para a Cidade do Cabo, ficou particularmente tocada por uma mulher boer, cujo filho estava morto em seus braços, e esperava na estação de Springfontein o trem que a levaria a um campo de concentração.
Ao retornar à Inglaterra, tentou sensibilizar a opinião pública, mas enfrentou críticas consideráveis e a hostilidade dos jornais e do governo. Foi acusada, portanto, de trair o esforço de guerra nacional.


A enfermeira retornou à Cidade do Cabo, em outubro de 1901, mas não teve permissão para desembarcar, sendo repatriada para a Inglaterra. Mudou-se então para a França, onde escreveu o seu livro "O impacto da guerra" sobre sua experiência sul-africana(15).

"A Guerra dos Bôeres (1899-1902) foi um dos eventos mais importantes e vergonhoso na história imperial britânica. 
A capacidade de 40.000 fazendeiros bôeres de resistirem a um exército britânico dez vezes maior durante três anos, e infligir a esse exército uma série de derrotas ao longo desse período, destruiu a fé no poderio britânico. Embora a República Bôer tenha sido derrotada e anexada em 1902, a confiança na Grã-Bretanha ficou tão abalada que naquele mesmo ano, ela assinou um tratado com o Japão que estabelecia que, se qualquer um dos dois países se envolvesse em guerra contra dois inimigos no Extremo Oriente, a outra parte viria em seu auxílio." (11).  O tratado levou à Guerra Russo-Japonesa (1904-1905), em que morreram 130.000 soldados e 20.000 civis.
Na realidade, de acordo com as memórias do legendário líder boer Jan Smuts, uma grande quantidade de ouro permaneceu no Tesouro do Transvaal e no Banco Nacional em Pretória até ao dia 4 de Junho de 1900, o dia antes dos britânicos entrarem na capital boer. 
Na manhã desse dia, apressadamente, Smuts mandou que o ouro fosse recolhido e depositado em caixas no cais da estação de caminhos de ferro de Pretória. Aí, foi colocado num comboio escoltado que ao meio dia partiu na direcção de Lourenço Marques, já sob o fogo de armas e canhões britânicos – o último comboio sob o controlo da república boer a deixar Pretória.
No final de 1900, havia mais do que mil e quinhentos boers refugiados no lado português da fronteira, isto é, no Sul de Moçambique, e, desses, quase todos estavam em Lourenço Marques, empilhados uns em cima dos outros. Alguns, os mais doentes, ficaram na velha residência de Gerard Pott no centro da cidade. Muitos morreram de doença e ferimentos na cidade. Entre os refugiados encontravam-se centenas de militares boers, de que se destacava um tal General Pienaar, que estava acompanhado pela sua família.   Em parte com a ajuda do dinheiro acumulado dos boers com a venda do ouro, uma solução foi encontrada.
Eles iriam para Portugal. Em navios da marinha real portuguesa. 1 de Abril de 1901, os boers foram recebidos à sua chegada a Lisboa por uma grande e jubilante multidão portuguesa, gritando ovações e tratando os refugiados como verdadeiros heróis.  

Total contraste com  a recepção com que foi tratada a delegação britânica liderada por Lord Carrington, que se deslocara a Lisboa na mesma altura para formalmente notificar o rei D. Carlos da morte da rainha Vitória e da sucessão ao trono pelo seu filho, o futuro Eduardo VII(14).



Uma rara fotografia, com data de 1901, da "Escola dos Refugiados Boers das Caldas da Rainha" Portugal. Foto dos Arquivos Nacionais da Holanda. 


Assim, esses sanguinários psicopatas ávidos pelo poder, esconderam o último imperador da Rússia, Czar Nicolau II, junto com sua esposa, Czarina Tsaritsa Alexandra, seu filho de 14 anos, Tsarevich Alexis, e suas quatro filhas por pertenceram a Ordem de Malta "dos jesuítas então expulsos pelo Vaticano". Em seguida iniciou a primeira guerra mundial. 
Mandela, Rockfeller, e Fidel mantendo o comunismo na África!
 Hipocrisia! Explica-se :Sua luta por igualdade, liberdade e justiça não foi aqui. Foi no Pais dos outros.
Em 1993, Mandela recebeu o Prêmio Nobel da Paz por sua obra a favor da reconciliação nacional. Reconciliação para quem? Não para os miseráveis na África.

Durante a primeira votação democrática da história da África do Sul, no dia 27 de abril de 1994, Nelson Mandela, de 77 anos, foi eleito presidente da República com mais de 60% dos votos. Governou até 1999.

Noventa anos após o fim da guerra Bôeres na África do Sul e início da guerra Russo-Japonesa, David Rockefeller fez um discurso em uma reunião do Grupo Bilderberg, realizada em Sand, na Alemanha, em que teria dito o seguinte:
"Somos agradecidos ao Washington Post, ao The New York Times, à revista Time e a outras excelentes publicações cujos diretores participaram de nossos encontros e respeitaram suas promessas de discrição por quase quarenta anos... Teria sido impossível para nós desenvolver nosso plano para o mundo se tivéssemos ficado expostos à luz brilhante da publicidade durante todos esses anos... o mundo está agora mais sofisticado e preparado para marchar rumo ao governo mundial que nunca mais conhecerá a guerra, mas somente a paz e a prosperidade para toda a humanidade." (12). "Uma estratégica mobilização política para promover auto interesse coletivo para um alvo e desviar de outros".
A situação que relatei acima sobre a guerra de Bôres, se encaixa perfeitamente no modelo padrão de mudança de regime que temos visto até hoje implementadas muitas vezes  desde 1945 pelo CIA-M16-Mossad (na realidade, eles largamente operaram como uma única agência). Agindo nela de forma básica:
  •     Enviar mercenários estrangeiros para o estado de vítima para fomentar a 'revolta'.
  •     Provocar o estado vítima em usar as suas forças armadas para se opor aos invasores estrangeiros.
  •    Ter a mídia presente esta ação defensiva legal por parte do Estado como vítima da opressão cruel de uma ditadura.
  •     Envie suas forças armadas para completar o trabalho de mudança de regime.
  •     Estabelecer um novo regime fantoche com um sistema bancário que consiste de um banco central privada que emite moeda com base na dívida, escravizando, assim, a população.
  • Por que o coronel House, J. P. Morgan e os membros da Consulta lançaram os EUA na Primeira Guerra Mundial?
  • Por que grandes empresas norte-americanas ligadas ao CFR (e outras também) construíram os equipamentos militares que os nazistas usaram durante a Segunda Guerra Mundial?
  • Por que os EUA lutaram guerras sem o objetivo de alcançar a vitória na Coreia, no Vietnã e no Golfo Pérsico?
  • É realmente muito simples, e que tem sido realizado tantas vezes, recentemente feito na Síria, um par de anos atrás, vimos um caso absolutamente flagrante e livro didático na Líbia, antes no Iraque e no Afeganistão, eis a Fome na África,
De Beers consolidado Mines Ltd.  (África do Sul) e  De Beers Centenary AG (Suiça). Controle de toda a produção de diamante do mundo.  Fundada por Cecil Rhodes, em 1880; by 1888, com apoio de  Rothschild, no controle de 90% a produção de  diamante.theworld. (17)

Anglo-American Corp. of South Africa, Ltd
De Beers x Denis Boulle  — Os belos diamantes estão mergulhados  no genocídio, no colonialismo, na pobreza e pela brutalidade de  DeBeers diamantes que controla o  cartel por opressão.
Testamento de  Cecil Rhodes & De Beers Diamonds: 
"Em seu primeiro testamento Rhodes declara seu objetivo de forma ainda mais específica: 'A extensão do domínio britânico por todo o mundo, o aperfeiçoamento de um sistema de emigração a partir do Reino Unido e de colonização por súditos britânicos de todas as terras em que os meios de vida são alcançáveis... e, finalmente, a fundação de um poder tão grande que  para a frente torne as guerras impossíveis e promova os melhores interesses da humanidade." [18].
SOCIEDADE SECRETA
O que eles fizeram nas últimas décadas? A sociedade secreta incitou a sangrenta Guerra dos Bôeres, na África do Sul, que precipitou e prolongou a I Guerra Mundial, que teve como conseqüência a orquestração da Segunda Guerra Mundial e o surgimento do nazismo, eles transferiram os países da Europa Oriental e a China para os comunistas, com planos discutidos e aperfeiçoados desde NEW YORK, eles manipularam os EUA e a Grã-Bretanha para combater uma guerra perdida na Coréia e outra guerra perdida no Vietnã, eles destruíram a infra-estrutura do Afeganistão e do Iraque, e nos dias modernos atuais o movimento secreto (hoje com múltiplas ramificações como; Grupo BilderbergSkull and Bones, Sionistas, Fabian Society, CFR, RIIA, Iluminattis, Maçonaria, B’nai B’rith, etc) está tentando precipitar uma guerra total contra o IRÃ e o mundo muçulmano.[19]
Por que é que eles querem precipitar mais uma guerra? Eles acreditam que o caos gerado pela crise financeira e os sofrimentos causados pela guerra, que são inevitáveis, vai forçar as nações a abandonarem a sua soberania em prol de uma Nova Ordem Mundial (NWO-New World Order), um governo global.
Símbolo/Logo da F.S. Fabian Society, um lobo em pele de cordeiro !!!
Fabiansociety-Crest
Uma vez Henry Kissinger (um integrante da cabala) disse: “A alternativa a uma nova ordem internacional é o caos.” [20]  Foi a intenção da “sociedade secreta de Cecil Rhodes, e é o objetivo da Comissão Trilateral, do CFR,  Grupo Bilderberg e outros como a européia SociedadeILLUMINATTI, ontem, hoje e sempre.  [21]  
O Senador Barry Goldwater advertiu o povo americano sobre o perigo representado pelo CFR e a Comissão Trilateral ainda em 1979, quando ele escreveu:
Considerando que o Conselho de Relações Exteriores (CFR) é distintamente nacional em seus membros, a Comissão Trilateral é internacional… Ele é destinado a ser o veículo para a consolidação multinacional dos interesses comerciais e bancários, tomando o controle do governo político dos Estados Unidos“. [22]
A Comissão Trilateral (e o CFR) com o controle do governo dos EUA hoje? Sim.  Entre 1977 e 2008, todos os presidentes e / ou vice-presidente dos Estados Unidos foi um membro da Comissão Trilateral, ou seja, Jimmy Carter, Walter Mondale, George HW Bush, Bill Clinton, George Bush (Filho), Al Gore e Dick Cheney. Além disso, durante o período de vinte e um anos (anteriores a 2009): seis dos oito presidentes do Banco Mundial eram membros da Comissão Trilateral, oito dos 10 representantes da Câmara de Comércio dos EUA foram  membros da Comissão Trilateral, sete dos doze secretários de Estado eram membros dessa Comissão Trilateral, nove dos doze secretários de defesa eram membros da C.T., e a maioria dos outros principais cargos nas administrações republicana ou democrata foram comandados por membros  do Council on Foreign Relations-CFR[23] 
No momento integrantes da Comissão Trilateral mantem de 11 a 12 posições-chave na administração de Barack Obama, e a maioria dos principais cargos são ocupados por outros membros do CFR (Conselho das Relações Exteriores). A cabala secreta ainda existe hoje? Sim! David Rockefeller, presidente honorário do CFR, e fundador e Presidente Honorário do Capítulo Norte-Americano da Comissão Trilateral, afirmou (em seu livro, Memórias):
Quando ouvimos os arautos a dizerem que temos que pagar ao estrangeiro, de quem é que pensam que eles falam??? de governos?? Se repararem nunca dizem realmente a quem devemos, falam sempre que devemos ao estrangeiro, aos mercados, a toda uma espécie de instituições sérias e credíveis mas a sua forma é sempre abstrata. Falam dos juros da divida, mas a quem é que pagamos os juros??? E porque razão têm um estado soberano que pagar a bancos internacionais? Não deveria de ser ao contrário? Os governantes mentem.


divisão do Brasil?

A esta máscara social associa-se o mundo financeiro, as ONGs e governos coniventes e totalmente submissos aos interesses oligárquicos(02). 


Fontes:
01 - Cecil Rhodes , governador do Cabo, teve uma visão de incorporar o Transvaal eo Estado Livre de Orange, em uma federação sob controle britânico. O Cabo, mais especificamente a pequena área em torno  da época Cidade do Cabo , foi a primeira parte da África do Sul a ser colonizada por europeus, os primeiros imigrantes chegaram em 1652, sob o controle de, a Companhia das Índias Orientais holandesa .
02 - Empty Madness Association
03 - Carroll Quigley, Tragedy and Hope: A History of the World in Our Time, Macmillan, 1966, pág.130-131.
04 - http://www.seekgod.ca/rhodes.htm.
05 - Thomas Pakenham, The Boer War, Random House, 1979, pág. 607.
06 - Carroll Quigley, op. cit., pág. 136-137
07 - Carroll Quigley, op. cit., pág. 137.
08 - Carroll Quigley, op. cit., pág. 137
09 - Carroll Quigley, op. cit., pág. 137
10 - Carroll Quigley, op. cit., pág. 137
11 - Carroll Quigley, op. cit., pág. 137
12 - William Grigg, The New American, 10 de fevereiro de 2003, pág. 5 
13 - http://www.squidoo.com/lord-kitchener
14 - http://delagoabayword.wordpress.com/2010/10/15/mocambique-portugal-e-a-guerra-anglo-boer-de-1899-1902/
15 - http://pt.wikipedia.org/wiki/Emily_Hobhouse
16 - http://marchofthetitans.com/chapter-55-the-white-mans-burden-south-africa/
17 - 1994 EIR News Service
18 -Frank Aydelotte, op. cit., pág. 5.
19 - Stanley Monteith, Syllabus: Iraq: The Untold Story “: Disponível a partir do Rádio Liberdade. Veja também . Veja também .
20 - A chance de uma Nova Ordem Mundial
21 - a Comissão Trilateral . 
22 - Barry Goldwater, op. cit.
23 - David Rockefeller, op. cit.
http://pages.uoregon.edu/kimball/Rhodes-Confession.htm
http://profundaescuridao.blogspot.com.br/2010/10/por-quem-os-sinos-dobram-parte-2.html
http://www.marcos-historia.blogger.com.br/2005_09_01_archive.html
https://delagoabayword.wordpress.com/category/historia/
http://www.bbc.co.uk/history/historic_figures/kitchener_lord_horatio.shtml
http://historiandonanet07.wordpress.com/
http://iamthewitness.com/doc/RothschildsTimeline-filer/frame.htm

3 comentários:

paullo Corrêa disse...

Incrível post, realmente estou satisfeito de ter usado cada minuto lendo-o.

Marilda Oliveira disse...

grata paullo Corrêa , é necessário pesquisarmos, sabermos a verdade de como estes oligarcas conseguiram o dinheiro, as verbas para hoje, escravizarem a humanidade. Abraços,

Lucas Marques disse...

Muito bom!!!!